Home Trabalho Servidores do ABC temem reforma previdenciária aos moldes do Sampaprev
Ataques

Servidores do ABC temem reforma previdenciária aos moldes do Sampaprev

Cidades governadas pelo PSDB sinalizam intenção de adotar o modelo criado pela dupla João Doria e Bruno Covas na capital paulista
Publicado por Redação RBA
12:42
Compartilhar:   
Guilherme Gandolfi/Frente Brasil Popular
Servidores

Em São Paulo, servidores municipais estão em greve contra a reforma da previdência implementada pelo PSDB

São Paulo – Servidores municipais de cidades do Grande ABC, em São Paulo, temem que a região siga o mesmo modelo de reforma previdenciária na capital paulista, proposto pelo ex-prefeito João Doria (PSDB) e pelo atual, Bruno Covas (PSDB). O Sampaprev, como ficou conhecido, aumentou a contribuição previdenciária de 11% para 14% para os servidores municipais, que estão em greve desde segunda-feira (4) contra a aplicação da medida, aprovada em dezembro. 

Em São Bernardo do Campo e São Caetano, governadas pelo PSDB, e Diadema, pelo PV, a situação vem se agravando para o funcionalismo nos últimos anos, sem aumento real (acima da inflação) para a categoria. Mesmo em Santo André, que não enfrenta problemas no instituto de previdência, os servidores também receiam que o modelo do Sampaprev seja adotado, já que a cidade é governada pelos tucanos, assim como na capital paulista. 

“Temos informações de que eles estão articulando para todas as cidades do ABC aderirem ao mesmo modelo de São Paulo”, afirma o presidente do Sindicato dos Servidores Municipais de São Bernardo, José Rubens, em entrevista ao repórter Cosmo Silva, da Rádio Brasil Atual, nessa terça-feira (5). Ele diz que a situação dos trabalhadores é “caótica”, com o aumento da parcela do plano de saúde e assédio contra os servidores. 

O presidente do Sindicato dos Funcionários Públicos de Diadema, José Aparecido da Silva, o Neno, afirma que a categoria está mobilizada para a campanha salarial. Na pauta, o reajuste real para os servidores e a garantia de direitos da categoria. Ele também disse que recebeu sinalizações informais da prefeitura para o aumento da alíquota previdenciária para 14%.

Ouça a reportagem completa: