Home Trabalho Novo presidente terá que lidar com desemprego sem retirar direitos trabalhistas
Eleições 2018

Novo presidente terá que lidar com desemprego sem retirar direitos trabalhistas

Com milhões de desempregados no Brasil, especialista alerta que 'reforma' trabalhista e mudanças propostas para a CLT serão obstáculos do próximo chefe do Executivo
Publicado por Redação RBA
12:23
Compartilhar:   
TVT/Reprodução
Desemprego propostas

Para o coordenador do Dieese, “reforma” trabalhista se mostrou deficiente para dar conta da criação de empregos

São Paulo – Em entrevista ao Seu Jornal, da TVT, o coordenador de educação e comunicação do Dieese, Fausto Augusto Júnior, avaliou que a criação de postos de trabalho deve ser a prioridade do próximo presidente. Com programas opostos, de acordo com Fausto, enquanto o candidato Fernando Haddad (PT) trata do desemprego como um problema do Estado, Jair Bolsonaro (PSL) destina a questão ao mercado.

Atualmente, com a taxa média de desemprego em 12,1%, estima-se que 12,7 milhões de brasileiros estejam sem trabalho, e para o coordenador do Dieese, as mudanças da “reforma” trabalhista, implementada há quase um ano, criam mais obstáculos para o enfrentamento.

“O governo Temer acreditava em uma coisa muito simples: achava que a ‘reforma’ trabalhista resolveria todos os problemas e está muito claro que não resolveu. Não teve geração de empregos, que foi muito pontual e está vinculada ao mercado informal”, explica Fausto à repórter Michelle Gomes, da TVT. A proposta de revogação da “reforma” consta apenas no programa de governo de Haddad, enquanto que o programa de Bolsonaro, segundo especialistas, pode na verdade aprofundar ainda mais o problema, já que retira ainda mais direitos do trabalhador.

Assista à íntegra da reportagem: