Home Trabalho Nova presidenta do TRT em São Paulo quer ‘assegurar que não haja retrocesso’
'Reforma' trabalhista

Nova presidenta do TRT em São Paulo quer ‘assegurar que não haja retrocesso’

Ao tomar posse, a primeira mulher negra a comandar o maior tribunal regional do Trabalho do país disse ver 'dispositivos claramente inconstitucionais' na nova lei e promete resistência. Ministro estava presente
Publicado por Vitor Nuzzi, da RBA
Compartilhar:   
TRT-2
trt-2

Pugliese, Jucirema, a presidenta Rilma e Vidigal: tribunal trabalhista de São Paulo tem nova direção

São Paulo – Ao tomar posse na noite desta segunda-feira (1º) na presidência do Tribunal Regional do Trabalho da 2ª Região (TRT-2), a desembargadora Rilma Aparecida Hemetério afirmou que os juízes devem seguir a nova legislação, mas na interpretação “serão obrigados” a seguir o que determina a Constituição. Segundo ela, existem “dispositivos claramente inconstitucionais” na chamada “reforma” trabalhista. Cabe ao Judiciário, acrescentou, “assegurar que não haja retrocesso”.

“Repudio qualquer ato que afronte a dignidade da pessoa humana”, disse ainda a desembargadora, lembrando ser “a primeira mulher afrodescendente” a exercer a presidência do TRT-2, o maior do país, abrangendo a Grande São Paulo e a Baixada Santista, com 500 magistrados, 5.500 servidores e 485 mil processos recebidos na primeira instância (Varas) em 2017. Citando ainda “inúmeras tentativas” de enfraquecimento do Judiciário trabalhista, ela afirmou que não poupará esforços “para manter essa Justiça especializada”.

A desembargadora também citou cortes no orçamento, entre outras medidas que foram “minando esforços e fragilizando as instituições”. “A proteção social foi deixada de lado”, afirmou, acrescentando que a “ideologia do neoliberalismo” tenta convencer que o Direito do Trabalho é responsável pela crise econômica. E acrescentou que a desregulamentação pode provocar “euforia” no início, mas a história recente demonstra que a realidade se impõe.

Além de Rilma, presidenta de número 33 do TRT-2, assumiram a vice administrativa, Jucirema Maria Godinho Gonçalves, o vice judicial, Rafael Edson Pugliese Ribeiro, e o corregedor regional, Luiz Antonio Moreira Vidigal. Participaram da cerimônia o presidente do Tribunal Superior do Trabalho (TST), João Batista Brito Pereira, e o ministro do Trabalho, Caio Vieira de Mello – o atual governo é responsável pela Lei 13.467, de “reforma” da legislação trabalhista, recebida com ressalvas no sistema judiciário.

Ao transmitir o cargo, o agora ex-presidente do TRT Wilson Fernandes, que em várias ocasiões também criticou a mudança na lei, disse que assumiu, dois anos atrás, “num momento particularmente difícil para o Judiciário”, em especial no ramo trabalhista, citando a Emenda Constitucional 95, de congelamento de gastos públicos. “Não posso deixar de registrar a crescente e preocupante redução da nossa força de trabalho”, afirmou, fazendo menção à aposentadoria de servidores, o que segundo ele poderá trazer “dificuldades muito grandes” em curto e médio prazos.

Mineira de Caxambu, Rilma formou-se na Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo (USP). Na posse, contou ter conhecido a instituição no Largo São Francisco aos 13 anos e decidido que estudaria naquele local. Tem especialização em Direito do Trabalho e Previdência Social. Trabalhou como advogada de trabalhadores e empresas. Entre 1980 e 1981, atuou no Ministério Público de Minas Gerais. Ingressou na magistratura em 1981 e foi vice-presidente judicial do TRT-2 de 2012 a 2014.