Você está aqui: Página Inicial / Trabalho / 2018 / 07 / Centrais preparam ato de 10 de agosto no 'símbolo do golpe'

Dia do basta

Centrais preparam ato de 10 de agosto no 'símbolo do golpe'

Trabalhadores farão paralisações em vários locais pela manhã, e em São Paulo vão se concentrar diante da Fiesp, na Avenida Paulista
por Vitor Nuzzi, da RBA publicado 25/07/2018 14h44, última modificação 26/07/2018 10h47
Trabalhadores farão paralisações em vários locais pela manhã, e em São Paulo vão se concentrar diante da Fiesp, na Avenida Paulista
Divulgação
centrais

Dirigentes organizam paralisações e protestos para 10 de agosto e reforçam necessidade de unidade entre centrais

São Paulo – Com paralisações em todo o país no próximo 10 de agosto, o chamado "dia do basta", as centrais sindicais farão sua principal concentração diante da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), na Avenida Paulista. "A pauta principal é a trabalhista, a defesa dos direitos, contra o desmonte. E a Fiesp virou símbolo de tudo isso", lembrou o secretário-geral da CUT, Sérgio Nobre, no final de plenária das centrais realizada nesta quarta-feira (25), na sede do Dieese, na região central de São Paulo.

"A mobilização está acontecendo no Brasil inteiro", acrescentou o dirigente, sobre a organização do ato. No próximo dia 2, quinta-feira da semana que vem, sindicalistas do setor de transporte farão uma plenária na sede do Sindicato dos Condutores de São Paulo para decidir como será sua participação no protesto.

O secretário-geral da CUT lembra que a situação do mercado de trabalho e das próprias negociações se deteriorou após a entrada em vigor da "reforma" trabalhista. "Alguns sindicatos não fecharam acordo desde o ano passado. Estamos trocando emprego protegido, qualificado, por emprego ruim, precário."

Em junho, as centrais aprovaram uma "agenda prioritária da classe trabalhadora", com 22 propostas para o próximo governo e para o Congresso Nacional. "Essa agenda fica cada vez mais necessária", afirmou o presidente interino da Força Sindical, Miguel Torres, lembrando de outras pautas diretamente relacionadas aos trabalhadores, como a Rota 2030, do setor automobilístico, e o acordo entre Mercosul e União Europeia. "Estão dando chapéu na gente outra vez."

Para o secretário-geral da UGT, Francisco Canindé Pegado, o dia 10 "pegou". "Será um dia de 'basta' aos que exploram os trabalhadores, ao Congresso. Essa agenda vai ser a nossa cartilha daqui pra frente, até as eleições e também em 2019", afirmou.

É preciso que essa pauta chegue até a base, enfatizou Cláudia Bueno, do Sindicato Químicos Unificados, de São Paulo, e a Intersindical. "A agenda tem de ser parte da vida dos trabalhadores. Temos de mostrar que esta é a agenda deles", lembrou.

Presidente licenciado da CTB, Adilson Araújo disse que é preciso também reforçar o debate eleitoral, o único caminho para brecar a aplicação de outra agenda, "ultraliberal", dialogando com os trabalhadores, "que vêm sofrendo as consequências do desemprego e da instabilidade política". Isso exige definições para o pleito de outubro, acrescentou. "A direita vai tomando seu caminho. E no campo democrático-popular, qual será o caminho?"

"Temos várias diferenças, mas estamos num momento de dificuldade em que é preciso se juntar", disse Altino Prazeres, da CSP-Conlutas, sobre a necessidade de unidade entre as centrais – falaram também na plenária representantes da CGTB e da Nova Central. Essa unidade "tem de ser permanente, porque esse golpe continuará nos atacando", comentou o presidente da Confederação Nacional dos Metalúrgicos da CUT (CNM-CUT), Paulo Cayres. Segundo ele, o ato na Avenida Paulista será um protesto "contra os 'pais do golpe'".