Home Trabalho Metalúrgicos da Scania aprovam acordo coletivo válido por dois anos
No ABC

Metalúrgicos da Scania aprovam acordo coletivo válido por dois anos

Proposta inclui reajuste com aumento acima da inflação e PLR
Publicado por Redação RBA
18:23
Compartilhar:   
Adonis Guerra/SMABC
montadoras

Assembleia na Scania nesta quinta-feira aprovou proposta por unanimidade, segundo o Sindicato dos Metalúrgicos

São Paulo – Trabalhadores na Scania, de São Bernardo do Campo, aprovaram na tarde desta quinta-feira (17) proposta de acordo coletivo que inclui reajuste salarial, aumento real e participação nos lucros ou resultados (PLR). A duração é de dois anos. Com aproximadamente 4.200 funcionários, a fábrica produz caminhões, chassis para ônibus e motores para geradores.

Segundo o Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, a proposta garante reajuste salarial na data-base (1º de setembro) com base na variação do INPC, com aumento real a partir de janeiro. A PLR será paga em duas parcelas, em junho próximo e janeiro do ano que vem.

“Para 2019 os pagamentos seguem o mesmo calendário. A negociação garantiu também a introdução de um vale-compras mensal a partir da data-base deste ano. O acordo termina em janeiro de 2020, com o pagamento da segunda parcela da PLR”, informa o sindicato.

“Conseguimos recuperar as perdas dos últimos anos, principalmente 2015 e 2016, quando tivemos de fazer negociações abaixo do índice do INPC. Naquele momento os trabalhadores entenderam a situação. Agora é o momento de recuperar”, afirmou o coordenador do Comitê Sindical (CSE) na Scania, Regis Guedes. “O momento vivido hoje na fábrica é resultado de negociações anteriores que visaram novos investimentos, vinda de produtos e garantias de exportação, construídas a partir da mobilização dos trabalhadores”, acrescentou o diretor executivo do sindicato Carlos Caramelo.

Os trabalhadores na Mercedes-Benz, também em São Bernardo, continuam em greve, iniciada nesta semana. De acordo com o sindicato, a empresa não quer incorporar o reajuste aos salários e pretende demitir mensalistas (funcionários do setor administrativo).