Home Trabalho Era uma vez uma MP: a nova lei trabalhista não vai mudar
Carochinha

Era uma vez uma MP: a nova lei trabalhista não vai mudar

'Já foi pro brejo', diz senador. 'Enviaram medida provisória para cumprir tabela', afirma diretor do Diap
Publicado por Vitor Nuzzi, da RBA
15:34
Compartilhar:   
Marcos Oliveira/Agência Senado
senado

Paim: “O governo fez de conta que apresentou uma MP e deixou caducar. Nós alertamos”

São Paulo – Em 11 de julho do ano passado, por 50 a 26, o Senado aprovou o projeto que deu origem à Lei 13.467, de “reforma” da legislação trabalhista, que entrou em vigor em 11 de novembro. Para aprová-lo sem mudanças, uma voz insistente, a do líder do governo, Romero Jucá (MDB-RR), acenava com uma medida provisória que “corrigiria” alguns pontos considerados preocupantes até pela bancada alinhada ao Planalto. A MP veio, mas está quase indo embora, sem ser votada. E a lei ficará do jeito que está. “O governo fez de conta que apresentou um MP e deixou caducar”, resume o senador Paulo Paim (PT-RS).

Embora a MP 808 ainda esteja válida, pelo menos até o dia 23, Paim oberva que a medida “já foi pro brejo”, uma vez que o próprio presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), disse que só colocaria o tema em votação até o último dia 3. “Nós alertamos que não ia votar coisa nenhuma”, afirma o parlamentar. Uma comissão especial mista (Câmara e Senado) chegou a ser criada, mas o presidente renunciou e até hoje o colegiado não tem relator.

Durante a tramitação em comissões do Senado, o governo insistiu para que o projeto fosse aprovado sem mudanças, porque caso contrário teria de voltar para a Câmara. “Foi uma jogada do Jucá para evitar que na Câmara esse assunto eventualmente travasse”, observa o analista Antônio Augusto de Queiroz, o Toninho, diretor do Departamento Intersindical de Assessoria Parlamentar (Diap). 

Em momento algum houve intenção real de mexer na Lei 13.467, acrescenta o analista. “Enviaram a MP para cumprir tabela, sem nenhum compromisso para implementar”, diz Toninho. “Eles querem evitar qualquer tipo de risco de o tema voltar à pauta.” Entre os itens questionados, estavam o trabalho intermitente, a atividade de lactantes ou gestantes em locais insalubres e a jornada 12×36. 

“A base do governo só votou na reforma porque ele (Temer) iria vetar sete, oito artigos. Atenuava, mas não resolvia”, lembra Paim. “Eu diria que eles acreditaram no presidente, e o presidente não cumpriu a parte dele.” Deixaram-se enganar? “Bobo não chega aqui (no Senado)”, diz o parlamentar. “Estavam jogando para a plateia”, acrescenta o diretor do Diap.

O projeto do Executivo foi aprovado na Câmara em abril. O relator, deputado Rogério Marinho (PSDB-RN), multiplicou o número de artigos da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT) alterados pela proposta, e assim ficou – e ficará. Paim ainda aposta em sua proposta de Estatuto do Trabalho, discutido em 18 audiências públicas. Ele anuncia a primeira versão para meados de maio. Já Toninho avalia que qualquer mudanças só será possível em uma nova legislatura, com um governo eleito no campo progressista.

Procurado, o senador Jucá não respondeu. Sua assessoria diz que ele “não quer” falar sobre o assunto.

Leia mais:

Promessa do governo, MP trabalhista está prestes a caducar

Presidente da comissão da MP trabalhista renuncia, e Diap vê ‘fantasma’

Jucá afirma que ‘complemento’ de reforma trabalhista sai dia 11

MP trabalhista empaca, e sindicalistas discutem projeto

Com reforma trabalhista, Brasil dá mau exemplo para o mundo

Senado aprova o projeto de reforma trabalhista, sem alterações

No escuro, senadoras resistem: ‘Esse é um caminho sem volta’

Senado vota reforma trabalhista. CUT, MPT, CNBB e OAB protestam