Você está aqui: Página Inicial / Trabalho / 2018 / 04 / Aos 95 anos, Sindicato dos Bancários de SP prepara campanha por preservação de direitos

História

Aos 95 anos, Sindicato dos Bancários de SP prepara campanha por preservação de direitos

Perto de completar um século e em um momento crítico para os trabalhadores, um dos principais sindicatos do país tem como trunfo histórico de resistência e conquistas
por Redação RBA publicado 16/04/2018 18h32, última modificação 16/04/2018 18h37
Perto de completar um século e em um momento crítico para os trabalhadores, um dos principais sindicatos do país tem como trunfo histórico de resistência e conquistas
Seeb-SP
Sindicato dos bancários

Na luta pela democracia, bancários foram ativos nas manifestações contra a mudança das leis trabalhistas

São Paulo – O Sindicato dos Bancários de São Paulo, Osasco e Região comemora 95 anos de existência nesta segunda-feira (16). A data é celebrada em meio a um dos mais graves momentos da história brasileira recente, fato que reforça a importância da união entre trabalhadores e sua entidade representativa. “É isso que nos mantém fortes e vigorosos, aos 95 anos”, afirma a presidenta da entidade, Ivone Silva. “Estamos chegando a quase um século, com energia de 20.”

Para ela, essa energia que nasce da mobilização dos trabalhadores é mais essencial do que nunca no atual contexto da vida política do país. “Desde o golpe, os trabalhadores só perdem e precisamos estar firmes e fortes, focados numa forte reação contra essas perdas”, reforça Ivone. “Nossa campanha nacional unificada 2018 começa em junho e vamos buscar não apenas manter os direitos previstos na nossa CCT (convenção coletiva de trabalho), mas conquistar mais, inclusive aumento real, já que os bancos continuam ganhando como sempre”, afirma.

A presidenta destaca que os 95 anos de fundação do sindicato são marcados pela luta em defesa dos direitos dos trabalhadores, dos direitos de cidadania e pela defesa da democracia no país. Como exemplo de vitórias obtidas, lembra que a jornada de seis horas para a categoria foi a primeira conquista, quando o sindicato tinha apenas 10 anos de existência.

Atualmente, a convenção coletiva da categoria conta com mais de 70 cláusulas, que garantem aos funcionários de bancos públicos e privados vales alimentação, refeição, 13ª cesta básica, auxílio-creche/babá, complementação salarial aos afastados por doença, auxílio para requalificação profissional, entre outros direitos.

Os bancários foram a primeira categoria a ter garantido em acordo o direito à participação nos lucros ou resultados (PLR), a promoção da igualdade de oportunidades, a licença-maternidade de 180 dias, paternidade de 20 dias, um instrumento de combate ao assédio moral e centros de realocação e requalificação profissional nos bancos, com o objetivo de evitar demissões.

“E tudo isso, sem esquecer a luta pela democracia, fundamental para recuperarmos nossos direitos, não só os trabalhistas, mas também os investimentos em saúde, educação, o direito à aposentadoria, às eleições. Só assim os trabalhadores voltarão a ter tranquilidade em relação aos seus empregos e seus direitos”, acrescenta Ivone.

“Desde 2004 até 2017, a mobilização dos bancários ao lado do Sindicato garantiu aumentos salariais acima da inflação, garantindo ganho real de 20,26%. No piso, esse aumento foi ainda maior, 41,6%. Assim como nos vales refeição, 35,4% e alimentação, 36,9%”, lembra a presidenta do sindicato. “Em 2016, nossa luta garantiu acordo de dois anos que permitiu aos bancários ter aumento real de 1% e manter todos os direitos, mesmo com o desmonte trabalhista de Temer aprovado em julho (do ano passado).”