Home Trabalho Modelo de previdência proposto por Doria já enfrenta dificuldades em outros estados
Sampaprev

Modelo de previdência proposto por Doria já enfrenta dificuldades em outros estados

Reforma municipal pretende segmentar servidores e criar fundo de investimentos. Segundo Dieese, problema de entrada de recursos e déficit tendem a piorar
Publicado por Rute Pina, do Brasil de Fato
13:20
Compartilhar:   
Sindsep
Greve dos servidores em São Paulo

Trabalhadores no serviço público de São Paulo fazem assembleia nesta terça-feria

Brasil de Fato – O modelo de previdência que o prefeito João Doria (PSDB) quer implementar em São Paulo já passou por dificuldades em, pelo menos, três dos oito estados onde foi efetivado. 

O projeto de Doria, que abandonará a prefeitura em abril para concorrer ao governo do estado nas eleições de outubro, é criar um fundo de previdência pública baseada em capitalização, o que já é realidade em cerca de 200 municípios brasileiros e nos estados de Minas Gerais, Rio de Janeiro, São Paulo, Sergipe, Rio Grande do Norte, Rio Grande do Sul e no Distrito Federal. Os servidores do município estão em greve e fazem nova assembleia nesta terça.

Além de aumentar a contribuição previdenciária dos servidores de 11% para 14%, com adicional de até 5%, a depender da faixa salarial, o prefeito tucano pretende criar dois novos segmentos para a Previdência Municipal de São Paulo (Iprem): o Finan e o Funprev. 

O primeiro vai integrar os atuais servidores, aposentados e pensionistas e permaneceria funcionando na atual lógica do sistema de repartição. Ou seja, as contribuições dos servidores ativos custeiam os benefícios de quem está aposentado ou é pensionista. 

Já o Funprev vai abrigar todos os servidores que entrarem no cargo a partir da aprovação da reforma. Neste fundo, as contas serão individuais e a reserva será capitalizada em um fundo de investimento controlado por uma fundação chamada SampaPrev — nome pelo qual o Projeto de Lei 621/2016 ficou conhecido.

Para Fernanda Castro, técnica do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese), “se já há um sério problema com relação à entrada e saída [de recursos] hoje, isso tende a piorar porque você deixa de ter entrada novas dos novos trabalhadores. Esse déficit, então, se mantém e se intensifica. temos alguns exemplos de estados que fizeram segmentação de massas e voltaram a trás”. 

Dificuldades

Aplicadas em outras localidades, medidas similares à proposta de Doria esbarraram na dificuldade de pagar os servidores que permaneceram no sistema antigo e os governos tiveram que criar mecanismos para transferir recursos de um fundo a outro. 

O caso mais emblemático é o do estado de Minas Gerais. Em 2013, o governo de  Antônio Anastasia (PSDB) extinguiu o Fundo de Previdência de Minas Gerais (Funpemg) e transferiu R$ 3 bilhões do órgão para o Fundo Financeiro de Previdência, cujo déficit era superior a R$ 8 bilhões.

O Distrito Federal não chegou a extinguir o fundo, mas teve que reformular seu modelo. Em setembro de 2017, a Câmara Legislativa do Distrito Federal votou pela fusão dos recursos do Fundo Financeiro com o DFprev (fundo capitalizado), criando o Fundo Solidário Garantidor.

Segundo a Caixa Econômica Federal (CEF), se os fundos permanecessem como estavam, em 2035 o DFprev teria R$ 45 bilhões intactos, enquanto o Fundo Financeiro teria déficit de R$ 7,5 bilhões.

Em agosto de 2017, Sergipe também fundiu recursos do Fundo Financeiro Previdenciário de Sergipe (Finanprev) e do Fundo Previdenciário do Estado de Sergipe (Funprev) para sanar dificuldades com o pagamento de aposentadorias e diminuir os aportes feitos pelo Estado. Ainda assim, o governo só conseguiu manter em dia o pagamento dos benefícios por dois meses e voltou a atrasar os repasses.

Fernanda Castro explica que, como o novo fundo não terá saída imediata — já que os novos servidores, em tese, levam algumas décadas para começar a se aposentar — o Funprev nasce superavitário; enquanto a arrecadação do Finam será decrescente.

“O orçamento público é sempre muito justo. Normalmente, não tem dinheiro que fica sobrando. Quando se cria o Funprev, na prática, o que você faz é pegar um dinheiro que poderia ser receita — e que poderia ser gasto com a aposentadoria e pensão — e aplica esse dinheiro”, ponderou.

Capital financeiro

Na opinião de Castro, o sistema financeiro é um dos setores interessados na capitalização do sistema previdenciário. “Eu acho que o interesse do capital financeiro, das instituições financeiras e dos bancos é muito grande, por princípio, porque você está tirando dinheiro que estaria em fluxo e está deixando ele parado, para se investir”, destacou.

O Sindicato dos Servidores Municipais de São Paulo (Sindsep) afirma que o estudo do PL 621 foi encomendado pela Federação Brasileira de Bancos (Febraban). Sérgio Antiqueira, diretor da entidade, ressalta que “os bancos estão doidos para pegar isso. Eles emprestam a juros altíssimo e devolvem uma quantia de rentabilidade pequena. É um dinheiro certo. Você arrebenta de vez o sistema que era solidário e, depois que está tudo feito e os bancos já lucraram, não tem como voltar”.

Ele lembra que, somente em 2005, o sistema próprio dos servidores públicos passou a ser contributivo. Este fator é essencial para explicar o que a Prefeitura chama de rombo na previdência — em 2017, o valor pago em aposentadorias foi de R$ 8 bilhões.

“Antes de 2005, a Prefeitura usava dinheiro do Iprem, que era superavitário, para pagar empréstimos. E ela ficou com o dinheiro e não pagou. Ou seja, o sistema já chega com uma dívida. Com o tempo, se você tem ao longo da década um desinvestimento no serviço público e no funcionalismo, você quebra, desequilibra”, afirmou. 

A reportagem do Brasil de Fato entrou em contato com a Secretaria de Comunicação (Secom) da Prefeitura e também com a assessoria de imprensa da Febraban por e-mail e por telefone, mas não obteve resposta até a publicação.

Mobilização

Nesta terça-feira (20), os servidores públicos voltam a se manifestar na Câmara Municipal de São Paulo, onde está prevista mais uma rodada de discussão e votação do PL. Também haverá uma assembleia para decidir sobre o prosseguimento da greve.

registrado em: ,