Home Trabalho Multidão protesta contra reforma da previdência de Doria
demonstração de força

Multidão protesta contra reforma da previdência de Doria

Dentro da Câmara de São Paulo, servidores debatem projeto que dificulta o acesso dos trabalhadores à aposentadoria. No entorno, organizadores estimam em 80 mil manifestantes pela continuidade da greve
Publicado por Gabriel Valery, da RBA
17:13
Compartilhar:   
Protesto na Câmara de São Paulo reuniu multidões nas ruas em torno do prédio <span>(Roberto Parizotti/CUT)</span>Doria afirma continuamente que não vai recuar no projeto. Servidores dão a resposta <span>(sindisep)</span>Ontem, as forças policiais avançaram contra a população, deixando feridos <span></span>PM tem efetivo reforçado nas redondezas da Câmara <span></span>

São Paulo – Mais de 80 mil servidores, segundo os organizadores, estiveram em frente à Câmara Municipal de São Paulo na tarde de hoje (15), para uma manifestação contra o Projeto de Lei (PL) 621/2016, proposto pela gestão do prefeito João Doria (PSDB). Dentro da Casa, teve início às 15h audiência pública para debater a matéria, que dificulta o acesso dos trabalhadores à aposentadoria.

Mais de 16 sindicatos de diferentes categorias do funcionalismo público aproveitaram a mobilização dos trabalhadores para uma assembleia conjunta com o objetivo de decidir sobre a continuidade da greve. A paralisação atinge diversos serviços públicos, como 100% da assistência social e mais de 90% das escolas municipais, de acordo com as entidades. A deliberação coletiva, unânime, foi de manutenção e ampliação do movimento. Haverá nova assembleia na próxima terça (20).

“Foi votada a continuidade da greve. Não teve uma votação contrária à greve e a luta continua porque o projeto do Doria prejudica, confisca o salário dos servidores”, disse o presidente da CUT São Paulo, Douglas Izzo. “A greve na educação atinge 94% das escolas. Temos grandes paralisações.”

A segurança no local está reforçada. Trabalhadores da Câmara soldaram as grades durante esta manhã para evitar que manifestantes ocupassem a Casa. A presença dos servidores em grande número se deu, em parte, em solidariedade aos trabalhadores que foram agredidos pelas forças policiais durante a tarde de ontem, quando o projeto foi aprovado na Comissão de Constituição e Justiça.