Você está aqui: Página Inicial / Trabalho / 2018 / 03 / Justiça determina reintegração de docentes na Universidade Metodista

são paulo

Justiça determina reintegração de docentes na Universidade Metodista

Pela decisão de primeira instância, instituição de ensino deverá pagar os salários vencidos desde a dispensa até a posse do cargo
por Redação RBA publicado 12/03/2018 16h21, última modificação 12/03/2018 17h10
Pela decisão de primeira instância, instituição de ensino deverá pagar os salários vencidos desde a dispensa até a posse do cargo
DIVULGAÇÃO
metodista.jpg

Juíza afirma que demissão coletiva prejudica a atuação dos professores da universidade e também os alunos

São Paulo – A Justiça do Trabalho determinou, na última sexta-feira (9), que a Universidade Metodista de São Paulo recontrate os mais de 80 professores demitidos da instituição em dezembro. A sentença foi dada pela juíza da 8ª Vara do Trabalho de São Bernardo do Campo, no ABC paulista, Valéria Pedroso de Moraes. Na decisão, a juíza também reconhece que a Metodista deverá pagar os salários vencidos desde a "dispensa até a efetiva reintegração, com reflexos em férias acrescidas do terço constitucional, 13º salários e FGTS".

A juíza afirma que demissão coletiva prejudica a atuação dos professores da universidade e também os alunos. "O nefasto problema se alastra em uma cadeia de embate atingindo a sociedade como um todo. Agrava a situação o fato de a ré demonstrar total desinteresse em relevar a grave situação fática através da negociação coletiva. Há abuso de direito refletido socialmente", diz a decisão.

A medida faz parte de uma ação civil pública impetrada pelo Sindicato dos Professores do ABC (Sinpro-ABC) para tentar reverter as demissões. Como se trata de decisão de primeira instância, ainda cabe recurso. Em janeiro, a juíza já havia concedido liminar favorável à entidade.

O Sinpro lembra que, em sua sentença, a juíza também critica a Lei 13.467, de "reforma" trabalhista, em um dos artigos, que segundo ela "afronta Convenções Internacionais e dispositivos constitucionais já enfatizados".