Home Trabalho Novas regras do uso de Uber podem desempregar milhares de motoristas
Regulamentação

Novas regras do uso de Uber podem desempregar milhares de motoristas

Entre as exigências que passaram a vigorar neste começo de ano, prazo para que veículos tenham até sete anos de fabricação é uma das medidas mais polêmicas
Publicado por Redação RBA
11:09
Compartilhar:   
Agif/Folhapress
Protesto_aplicativo_uber

Motoristas de aplicativos protestam em frente à sede da Prefeitura de São Paulo, no viaduto do Chá, nesta quarta-feira

São Paulo – Cerca de 50 mil motoristas de serviços de transporte urbano por aplicativo, como Uber e Cabify, devem ser impedidos de trabalhar na cidade de São Paulo por conta de uma resolução da prefeitura. A regulamentação, aprovada em junho do ano passado, determina novos procedimentos para que os motoristas dos aplicativos possam circular na capital como, por exemplo, a necessidade de placas emitidas na própria cidade, veículos com até sete anos de fabricação e curso preparatório para os condutores.

As novas regras entraram em vigor no último dia 10, mas nas primeiras semanas as abordagens feitas por agentes de trânsito têm caráter educativo, sem aplicação de multa. As penalidades começarão a valer a partir do dia 29.

“A gente não é contra as regulamentações. A gente é contra se querer colocar a regulamentação depois que o aplicativo entrou no Brasil (…) e agora pega o trabalhador, que está com seu carnê pagando a sua dívida, pra poder levar o pão de cada dia pra sua família, e simplesmente agora se fala: ‘você não vai poder trabalhar mais’, com o desemprego altíssimo que estamos passando”, explica o presidente do Sindicato dos Trabalhadores com Aplicativos de Transporte Terrestre Intermunicipal do Estado de São Paulo, Leandro da Cruz Medeiros, à Rádio Brasil Atual.

Ele defende um aumento de sete para 10 anos do prazo de fabricação dos veículos, para que os motoristas tenham mais tempo de trocar o seu automóvel. “Assim o nosso trabalhador pode trocar o veículo, atender as exigências da prefeitura e fica bom para ambas as partes”, afirma.

Ouça aqui a íntegra da reportagem: