Home Trabalho Com adiamento de votação, centrais decidem suspender greve
Previdência

Com adiamento de votação, centrais decidem suspender greve

Para entidades, pressão ajudou no cancelamento da votação. Sindicalistas dizem que continuam em 'alerta' contra reforma da Previdência e por mudanças na MP trabalhista
Publicado por Redação RBA
11:44
Compartilhar:   
Renato Araújo/Câmara dos Deputados
previdência

Nesta semana, sindicalistas se reuniram com Maia e manifestantes protestaram contra a reforma previdenciária de Temer

São Paulo – As centrais sindicais decidiram suspender a greve nacional prevista para a próxima terça-feira (5). Segundo as entidades, o movimento foi suspenso devido à informação de que a proposta do governo de “reforma” da Previdência Social não mais será votada na semana que vem. 

“Ressaltamos que a pressão do movimento sindical foi fundamental para o cancelamento da votação”, afirmam as centrais, em nota, acrescentando que se manterão em “estado de alerta de greve”. As entidades também pretendem intensificar a mobilização por mudanças na Medida Provisória (MP) 808, que altera dispositivos da Lei 13.467, de “reforma” trabalhista.

Assinam a nota os presidentes das seis centrais reconhecidas formalmente: Antonio Neto (CSB), Adilson Araújo (CTB), Vagner Freitas (CUT), Paulo Pereira da Silva, o Paulinho (Força Sindical), José Calixto (Nova Central) e Ricardo Patah (UGT).

A greve havia sido marcada diante da perspectiva de votação da reforma na quarta-feira da semana que vem. Representantes das centrais foram à Câmara nesta semana conversar com o presidente da Casa, Rodrigo Maia (DEM-RJ), reivindicar o adiamento da discussão para 2018. Ontem, Maia disse que o governo “está muito longe” de conseguir os votos necessários para a aprovação.

Também por meio de nota, a CUT afirma que a “greve do dia 5 foi suspensa porque o governo Temer recuou e adiou votação da aposentadoria que estava marcada para o dia 6.” O comunicado diz ainda que o movimento sindical mantém-se em “estado de alerta”. 

A maior central do país orienta todas as suas unidades estaduais e ramos de atividade a continuar convocando suas bases para que estejam preparados “para parar, fazer greve de protesto e greve geral, exigindo a não votação desta reforma da Previdência que, na prática, acaba com a aposentadoria da classe trabalhadora”.

Já a CTB considera que o dia 5 deverá se transformar em “um dia nacional de lutas”, defendendo a realização de protestos nas agências da Previdência Social nos estados. E pede uma “reunião urgente” de centrais, confederações, federações e sindicatos para discutir a organização de uma greve nacional.

Intersindical e CSP-Conlutas, que discordaram da decisão do cancelamento, reiteram que é preciso manter a mobilização.