Você está aqui: Página Inicial / Trabalho / 2017 / 06 / Mais mulheres no mercado de trabalho poderia acrescentar US$ 5 tri à economia mundial

desigualdades

Mais mulheres no mercado de trabalho poderia acrescentar US$ 5 tri à economia mundial

No Brasil, aumento de 3,3% na participação da mulher poderia render aumento de cerca de R$ 337 bilhões no PIB, segundo relatório da OIT
por Redação RBA publicado 21/06/2017 10h48, última modificação 21/06/2017 11h08
No Brasil, aumento de 3,3% na participação da mulher poderia render aumento de cerca de R$ 337 bilhões no PIB, segundo relatório da OIT
Reprodução/TVT
mulheres 2

Políticas públicas em educação educação devem garantir condições igualitárias entre homens e mulheres

São Paulo – A maior presença de mulheres no mercado de trabalho global seria capaz de injetar mais de US$ 5 trilhões na economia mundial, em oito anos. É o que revela o relatório Perspectivas Sociais e de Emprego no Mundo - Tendências para Mulheres no Mercado de Trabalho em 2017, lançado nesta semana pela Organização Internacional do Trabalho (OIT). 

No Brasil, por exemplo, se a participação de mulheres no mercado de trabalho aumentasse apenas 3,3%, poderia render um aumento de cerca de R$ 337 bilhões no Produto Interno Bruto (PIB). Em todo o mundo, os postos de trabalho são ocupados predominantemente por homens. No Brasil, 78,2% da população masculina é economicamente ativa, enquanto entre elas esse número é de 56%. 

A economista Marilane Teixeira, pesquisadora do Centro de Estudos Sindicais e de Economia do Trabalho (Cesit) da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), destaca que a participação das mulheres é ainda menor nas camadas mais pobres da população. 

"Dois aspectos se sobressaem em relação a isso. O grau de vulnerabilidade dessas mulheres, a condição socioeconômica, e a faixa etária. Quanto mais pobres as mulheres, menor a taxa de participação no mercado de trabalho. Entre as mulheres extremamente pobres, a taxa de participação cai para 38%. Ou seja 72%, estão fora do mercado de trabalho", afirma a pesquisadora, em entrevista à repórter Michelle Gomes, para o Seu Jornal, da TVT

Já a secretária de Comunicação da CUT-SP, Adriana Magalhães, cobra o reforço de políticas públicas, principalmente em educação, como forma de garantir a condições de igualdade entre homens e mulheres no mercado. 

"É importante se discutir política pública que elimine o déficit que nós temos de vagas em creches. Esse é um elemento também que inibe e dificulta a mulher no mundo do trabalho. Se não tem vaga na creche, não têm trabalho pra fora", afirma Adriana.