Home Trabalho TRT isenta metroviários de multa por participação na greve geral
São Paulo

TRT isenta metroviários de multa por participação na greve geral

Juízes consideraram que não havia no processo nada que comprovasse desobediência a liminar. Sindicato, favorável a nova paralisação, não vê mudança de jurisprudência. Categoria está em campanha
Publicado por Vitor Nuzzi, da RBA
11:37
Compartilhar:   
Sindicato dos Metroviários
Metroviários

Sindicato avalia que houve ‘sensibilidade’ do tribunal. E defende nova greve: ‘Reformas não estão derrotadas’

São Paulo – Como sempre acontece em vésperas de possível paralisação de transporte coletivo, a Companhia do Metropolitano (Metrô) de São Paulo foi à Justiça antes da greve geral convocada pelas centrais sindicais para 28 de abril. Nesta quarta-feira (24), o Tribunal Regional do Trabalho da 2ª Região (TRT-2) decidiu não aplicar multa ao Sindicato dos Metroviários. A Seção de Dissídios Coletivos não encontrou nos autos do processo “elementos que comprovassem a desobediência da liminar”.

O TRT refere-se a liminar concedida ao Metrô no dia 26 pelo desembargador Francisco Ferreira Jorge Neto. O juiz determinou manutenção de 80% dos trabalhadores nos chamados horários de pico (das 6h às 9h e das 16h às 19h) e 60% nos demais períodos, fixando multa de R$ 100 mil em caso de descumprimento.

O Metrô havia pedido manutenção de 100% nos horários de pico – o que, na prática, é uma “não greve”. E queria 70% no período restante.

Coordenador da Secretaria Geral do Sindicato dos Metroviários, Wagner Fajardo considera até certo ponto a decisão comum, mas lembra que não houve uma alteração de jurisprudência. “Não significa uma mudança do Judiciário na questão da greve. Acho que foi mais uma questão processual e até uma certa sensibilidade”, observa o dirigente, lembrando que a própria Justiça do Trabalho tem sido atacada pelos defensores da “reforma” trabalhista, aprovada na Câmara e em tramitação no Senado (PLC 38).

Em assembléia na segunda-feira, os metroviários indicaram às centrais sindicais a necessidade de realização de nova greve geral. “As reformas não estão derrotadas”, diz Fajardo, para quem o governo Temer continua tentando de tudo para aprovar os projetos. “Mais do que isso, agora se utiliza de medidas de exceção e de repressão”, acrescenta, referindo-se ao decreto assinado ontem (24), dia da marcha da centrais a Brasília, convocando as Forças Armadas para garantir “a lei e a ordem”. “Mais do que nunca, a palavra ‘Fora Temer’ e suas reformas está na ordem do dia.”

O sindicato enfrenta dificuldades na negociação com o Metrô para renovação do acordo coletivo – a data-base é 1º de maio. Segundo Fajardo, a empresa propôs renovar parte da convenção, mas quer “modificar para menos” cláusulas importantes, como o do adicional noturno. Novas rodadas estão marcadas para amanhã e terça-feira (30), quando a categoria, já em estado de greve, fará nova assembleia. Na segunda (29), às 19h, haverá audiência pública na Assembleia Legislativa para discutir a privatização da Linha 5-Lilás.