Home Trabalho Rio de Janeiro lança Frente Parlamentar contra a reforma da Previdência
resistência

Rio de Janeiro lança Frente Parlamentar contra a reforma da Previdência

Deputado Wadih Damous (PT) acredita na mobilização popular para barrar a proposta do governo Temer: 'Os próprios deputados da chamada base governista estão se recusando a apoiar'
Publicado por Redação RBA
10:48
Compartilhar:   
reprodução/TVT
Frente Parlamentar Contra a Reforma da Previdência

Lançamento da frente que reúne deputados estaduais e federais contou com a presença do ex-ministro Carlos Gabas

São Paulo – Em audiência pública na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro, foi lançada nesta segunda-feira (24) a Frente Parlamentar em Defesa da Previdência. Na semana em que o governo Temer promete endurecer as negociações em torno da reforma da Previdência, a iniciativa da frente visa a interferir no debate, amplia a resistência e barra-la. 

“É possível que o povo saia vitorioso. O projeto, como ele foi enviado, dificilmente vai passar. Os próprios deputados da chamada base governista estão se recusando a apoiar essa reforma, não porque tenham algum tipo de compromisso social. Estão pensando é nas suas reeleições”, afirma o deputado federal Wadih Damous (PT-RJ), que aposta na greve marcada para a próxima sexta-feira (28) para demonstrar força contra a proposta defendida por Temer. 

O lançamento da frente contou também com a presença o ex-ministro da Previdência (governos Lula e Dilma) Carlos Gabas, que afirmou discordar da forma e do conteúdo com que a reforma vem sido tratada pelo governo. Ele também negou que o déficit da Previdência seja estrutural, com defende o governo, para justificar as mudanças pretendidas. Segundo o ex-ministro, o déficit é agravado pela alta do desemprego. 

“Há uma manipulação dos números para que apareça um rombo enorme e uma insuficiência de recursos. E, mais ainda, eles colocam como se fosse um problema estrutural, e o problema é conjuntural. Estamos enfrentando uma crise enorme, uma crise econômica que foi agravada pela crise política, e obviamente, no momento de crise,  uma política que é financiada essencialmente sobre folha de salários, com esse grande desemprego, você tem uma queda de arrecadação.” 

Em entrevista a repórter Viviane Nascimento, para o Seu Jornal, da TVT, Gabas ainda lembrou que, até 2015, a Previdência nas áreas urbanas registrava superávit, o que desmonta a tese de que o sistema estaria quebrado. Para o ex-ministro, a proposta defendida pelo governo Temer retira direitos e afeta, em especial, os mais pobres. 

O deputado estadual Gilberto Palmares (PT) lembrou que a reforma atinge a todos os trabalhadores. “A frente vai ajudar a melhorar o nível do debate e, mais do que isso, vai lutar contra a destruição dos direitos previdenciários dos trabalhadores da iniciativa privada e do setor público.”