Home Trabalho Para líder da Contag, conjuntura ‘adversa’ exige mais mobilização
Desafio

Para líder da Contag, conjuntura ‘adversa’ exige mais mobilização

'Temos de ter novas estratégias', diz Alberto Broch, que deixará a presidência ao final do 12º congresso da entidade, que começa hoje (13), em Brasília. Lula participa da abertura
Publicado por Vitor Nuzzi, da RBA
16:21
Compartilhar:   
José Cruz/ABr
Alberto Broch, presidente da Contag

Segundo líder da Contag, reforma da Previdência “pode deixar de fora mais de 80% da base da agricultura familiar, com graves consequências para a economia dos municípios”

São Paulo – “Vamos ter de mobilizar mais do que fizemos nos últimos anos”, diz o presidente da Confederação Nacional dos Trabalhadores na Agricultura (Contag), Alberto Broch, momentos antes da abertura do 12º congresso da entidade, na noite de hoje (13), em Brasília. “A conjuntura política é totalmente adversa. Estamos mergulhados numa crise econômica muito grave, numa crise política que não sabemos como vai terminar e na iminência de total desregulação de direitos, inclusive na Constituição brasileira. Isso traz um grande desafio”, acrescenta o dirigente. Por essa “nova tática”, segundo Broch, além de maior presença na rua, compreende-se também uma “nova estratégia de mídia, de convencimento de setores da sociedade”.

O evento vai até sexta-feira (17), no Centro de Convenções Ulysses Guimarães. O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva participará do ato de abertura, a partir das 19h, além do secretário-geral da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), dom Leonardo Ulrich Steiner, dos presidentes da CUT (Vagner Freitas) e da CTB (Adilson Araújo) – centrais que atam na Contag – e diversos líderes de movimentos sociais.

Entre as propostas do governo Temer, o presidente da Contag destaca a pretendida reforma da Previdência, que se for aprovada como está “pode deixar de fora mais de 80% da base da agricultura familiar, com graves consequências para a economia dos municípios”. Além disso, o dirigente critica a atual gestão pela extinção do Ministério do Desenvolvimento Agrário, principal interlocutor do movimento rural. “Nós, na representação político-sindical, vamos para cima do governo, pautar a volta do ministério, para não retroceder nas políticas de desenvolvimento”, afirma Broch.

Ele cita temas como o Plano Safra, assistência técnica, o Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf), reforma agrária e habitação rural. E identifica “um grande risco a essas políticas, inclusive com falta de recursos”.

Os aproximadamente 2 mil delegados do congresso da Contag participarão também do dia nacional de paralisações convocado pelas centrais sindicais e movimentos populares. Na manhã de quarta-feira (15), eles estarão na rua, engrossando as atividades programadas para o Distrito Federal.

A exemplo do congresso anterior, apenas uma chapa foi inscrita. “É o resultado de uma longa costura política, um amplo diálogo com as forças políticas que atuam. Entendemos que esse é o melhor caminho”, observa Broch, que deixará a presidência após dois mandatos, período máximo permitido pelo estatuto da entidade. Ligado à CTB, ele deverá ocupar a vice-presidência e a secretaria de Relações Internacionais, com o comando passando para Aristides Veras, atual secretário de Finanças e Administração, vinculado à CUT. Pela primeira vez, a Contag terá paridade de gênero na direção.

Leia mais:

Para Contag, novo governo mostra subserviência à bancada ruralista

Para Contag, reforma inviabiliza aposentadoria rural e pode provocar êxodo

Dirigente do MST vê rompimento da Constituição, e Contag espera ‘disputa nas ruas’

Contag entrega pauta a Dilma e pede mais recursos à agricultura familiar