Home Trabalho Em dia de protestos, Temer sanciona terceirização irrestrita
sem diálogo

Em dia de protestos, Temer sanciona terceirização irrestrita

Texto foi publicado ainda nesta sexta em edição extra do 'Diário Oficial da União' e passa a valer imediatamente
Publicado por Redação RBA
21:42
Compartilhar:   
Alan Santos / PR
Temer_assina.jpg

Em dia de protestos contra reformas e a terceirização que propõe, Michel Temer decide sancionar retirada de direitos dos trabalhadores

São Paulo – Com três vetos, o presidente Michel Temer (PMDB) sancionou nesta sexta-feira (31), dia nacional de mobilização as reformas impostas por seu governo, a lei que libera a terceirização para todas as atividades das empresas. O texto foi publicado ainda hoje em edição extra do Diário Oficial da União e passa a valer imediatamente. Contra as reformas da Previdência e trabalhista, os movimentos populares e sindicais estão convocando uma greve geral para o dia 28 de abril.

Foram vetados o parágrafo terceiro, do Artigo 10 – que previa a possibilidade de prorrogação do prazo de 270 dias dos contratos temporários ou de experiência – e, os artigos 11 e 12, que repetiam direitos que já estão na Constituição Federal.

Segundo nota do Planalto, o parágrafo terceiro do Artigo 10 da lei aprovada pelo Congresso abria a possibilidade de prorrogações indefinidas do contrato temporário de trabalho, desde que isso fosse aprovado em acordo ou convenção coletiva, “o que poderia prejudicar os trabalhadores”.

O projeto enfrenta resistências até dentro do partido de Temer. O principal crítico da proposta é o líder do PMDB no Senado, Renan Calheiros (AL). Além dele, um grupo de senadores peemedebistas pediu a Temer, em carta, que o projeto não fosse aprovado, afirmando que, da forma como foi aprovado pela Câmara na semana passada, o texto poderá agravar o desemprego e reduzir a arrecadação. 

Nas mobilizações de hoje, trabalhadores, movimentos populares e sindicais que foram às ruas de todo o país para protestar contra as reformas da Previdência e trabalhista, portavam também cartazes contra a lei que permite terceirizar a atividade-fim.