Você está aqui: Página Inicial / Trabalho / 2016 / 09 / Com dez dias de greve, bancários participam de nova rodada de negociações em São Paulo

sem enrolação

Com dez dias de greve, bancários participam de nova rodada de negociações em São Paulo

Dirigente afirma que mobilização cresce a cada dia e que a categoria não vai aceitar perdas na negociação
por Redação RBA publicado 15/09/2016 12h22, última modificação 15/09/2016 13h37
Dirigente afirma que mobilização cresce a cada dia e que a categoria não vai aceitar perdas na negociação
Elza Fiúza/Agência Brasil
greve

Na última sexta-feira, Fenaban manteve proposta de reajuste abaixo da inflação

São Paulo – O Comando Nacional dos Bancários reúne-se hoje (15), às 16h, com a Federação Nacional dos Bancos (Fenaban), na capital paulista, para mais uma rodada de negociações. O último encontro ocorreu ontem e os bancos não apresentaram nova proposta.

Segundo a Contraf-CUT , a oferta feita pelos bancos não cobre nem mesmo a inflação do período, de 9,62%, e por isso foi rejeitada. Em todo o país, 12.386 agências e 46 centros administrativos estão fechados.

"Vamos voltar à mesa de negociação com a federação dos bancos e queremos proposta decente para as reivindicações da categoria. A categoria não vai aceitar perdas e a mobilização que cresce a cada dia deixa isso muito claro. Todo mundo quer dinheiro no bolso, claro, mas com reajuste digno", afirma Ivone Silva, secretária-geral do Sindicato dos Bancários de São Paulo, Osasco e Região.

A dirigente lembra outras reivindicações fundamentais para as quais os bancos até agora só disseram 'não'. "Chega de demissões, os bancos precisam contratar para acabar com a sobrecarga de trabalho. Os R$ 394 do auxílio-creche/babá estão muito distantes do que os bancários gastam para deixar os filhos e os bancos podem melhorar esse valor. A inflação dos alimentos bateu a casa dos 17%, ou seja, o VA e o VR precisam de reajuste maior."

Na última sexta-feira (9), a Fenaban apresentou aos bancários a proposta de 7% de reajuste nos salários e benefícios e um abono de R$ 3.300, que será pago dez dias após a assinatura do acordo. A proposta foi recusada pelos sindicatos.

Os bancários pedem reajuste de 14,78% (sendo 5% de aumento real e mais a correção da inflação), 14º salário, participação nos lucros ou resultados (PLR) de R$ 8.297,61, entre outras reivindicações.

Em nota, a Fenaban disse que a rodada agendada para hoje é uma nova reunião exploratória, na qual as partes discutirão as possibilidades a serem avaliadas para um acordo, a partir da aproximação entre as propostas já apresentadas.

A greve dos bancários começou no último dia 6.

Com informações da Contraf-CUT e dos Bancários SP