campanha salarial

Contraf: ‘Bancos não garantem empregos e reajuste salarial’

'Bancos estão aumentando lucro que tiveram no primeiro semestre do ano passado, chegando à casa dos R$ 30 bilhões, mas alegam que possuem dificuldades econômicas', diz Roberto Von Der Osten

Tânia Rêgo/ABr
banco.jpg

‘É um setor que ganha tanto, mas não consegue discutir com os funcionários como vão reverter lucros à sociedade’

São Paulo – “Apesar de aumento dos lucros, os bancos não querem garantir empregos, nem reajuste salarial para os empregados”, afirmou o presidente da Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro (Contraf), Roberto Von Der Osten, em entrevista hoje (26) à Rádio Brasil Atual. O presidente da Contraf participa das negociações com a Federação Nacional dos Bancos (Fenaban) sobre a campanha salarial dos bancários.

Os bancos estão aumentando o lucro que tiveram no primeiro semestre do ano passado, chegando à casa dos R$ 30 bilhões. Quando eles vêm conversar com nós, trabalhadores, parece que os lucros desaparecem e se apresentam como um setor que tem dificuldade. Se avaliarmos o aumento de juros e tarifas, a gente fica abismado como um setor que ganha tanto não consegue discutir com os funcionários como vão reverter isso à sociedade”, diz Von der Osten.

Ouça: