Home Trabalho Trabalhadores e especialistas debatem nova fase do programa Inovar Auto
ampliação

Trabalhadores e especialistas debatem nova fase do programa Inovar Auto

No 9º Encontro Nacional de Ferramentaria, representantes da indústria automobilística reivindicaram investimentos em formação e tecnologia
Publicado por Redação RBA
10:44
Compartilhar:   
reprodução/TVT
inovar auto

Trabalhadores querem formação técnica e aumento do conteúdo nacional na produção de veículos

São Paulo – No 9º Encontro Nacional de Ferramentaria, realizado sexta-feira (22), em São Bernardo, No ABC paulista, especialistas e trabalhadores debateram inovações para o setor automotivo e os principais desafios para a renovação do programa Inovar Auto, implementado em 2013, pelo governo Dilma Rousseff, para fortalecer a indústria nacional.

O programa tem como objetivo estimular a competitividade da indústria automobilística nacional, melhorando a segurança e eficiência dos veículos. A primeira fase do Inovar Auto vence em março de 2017, e empresários e trabalhadores já discutem com o governo federal a atualização do programa e a importância de ampliá-lo.

“Nós queremos sair dessa história de ser simplesmente um montador e ser um construtor”, afirma o diretor do Sindicato dos Metalúrgicos do ABC José Roberto Nogueira, o Bigodinho. Em entrevista à repórter Vanessa Nakasato, do Seu Jornal, da TVT, ele destaca, por exemplo, a proposta de criação do Observatório da Indústria, para fiscalizar o índice de conteúdo nacional nas linhas de montagem e as políticas de incentivo do governo. “Estamos em passos curtos, lentos, mas com um objetivo muito claro, que é ter um carro nacional.”

A inovação tecnológica é vista como fator central para o fortalecimento da ferramentaria, considerado um setor estratégico para a indústria brasileira. Hoje há cerca de 3 mil empresas dessa cadeia, no Brasil, que empregam 380 mil ferramenteiros. Só na região do ABC, são 480 empresas do setor. “A indústria brasileira, no caso a automobilística, tem demanda suficiente. Tem muitas peças que têm demanda, mas não têm tecnologia”, diz o gerente da Volkswagen Paulo Braga Melo.

Representante do Arranjo Produtivo Local de Ferramentaria do Grande ABC, Melo  também sinalizou para a necessidade de investimento na formação de mão de obra, como para a função de engenheiro ferramenteiro, uma carência do setor no país. “Embora o país esteja em crise, o setor de ferramentaria tem muita oportunidade de crescimento”, destacou.

“Um novo ciclo tem que apontar que o Brasil tem que ser um dos grandes polos desenvolvedores e produtores de veículos”, disse a diretora do Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços Margarete Gandini.