Home Trabalho Funcionários da CPTM, que ameaçam greve, fazem assembleia nesta terça
Transporte coletivo

Funcionários da CPTM, que ameaçam greve, fazem assembleia nesta terça

Representantes da categoria não gostaram de proposta de reajuste de 5,22%, parcelado, feita hoje pela empresa
Publicado por Redação RBA
16:18
Compartilhar:   
Fernando Stankuns
greve cptm

Em média, cerca de 2,8 milhões de passageiros utilizam diariamente os trens do CPTM

São Paulo – Em audiência de conciliação realizada hoje (9) no Tribunal Regional do Trabalho da 2ª Região (TRT-2), em São Paulo, a proposta de reajuste salarial da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM) passou de 2,61% para 5,22%, em duas parcelas. O índice não agradou aos sindicatos dos ferroviários, que farão assembleia amanhã à noite. A categoria pode parar na quarta-feira (11).

Com data-base em 1º de maio, os trabalhadores podem reposição de perdas com base na inflação e aumento real, o que representaria um reajuste acima de 11%. “Já existe concordância quanto a 56 cláusulas sociais (como concessão de estabilidade pré-aposentadoria, benefício saúde e assistência odontológica), porém o ponto mais sensível é o econômico”, diz o tribunal.

O vice-presidente judicial do TRT, desembargador Wilson Fernandes fez um apelo para que as partes mantenham negociações, pedindo para que os trabalhadores não iniciem a paralisação e que a empresa considere aumentar o índice proposta. Ele marcou nova audiência para terça da semana que vem (17), às 10h.

Em 2015, conforme o relatório da administração, a média de passageiros transportados foi de 2,783 milhões por dia útil, ante 2,777 milhões no ano anterior. O número de funcionários caiu de 8.752 para 8.570.

Metrô e ônibus

Também com data-base neste mês, os metroviários de São Paulo fazem assembleia amanhã, a partir das 18h30, para avaliar o andamento da campanha salarial. O sindicato da categoria afirma que a Companhia do Metropolitano (Metrô) tenta restringir as conversações, reduzindo a participação da comissão de negociação, determinando o local das reuniões em local de difícil acesso e limitando a três o número de reuniões.

Como se não bastassem esses absurdos, a direção do Metrô não quer discutir nas negociações os temas plano de saúde dos aposentados, plano de carreira e jornada de trabalho, alegando que já existe um fórum de discussão dessa pauta”, afirma a entidade.

Outra categoria em época de negociação, a dos motoristas e cobradores de ônibus, devem fazer passeata nesta terça até a prefeitura da capital paulista. Representantes do sindicato devem se reunir à tarde com o secretário municipal de Transportes, Jilmar Tatto. Eles ameaçam interromper atividades na próxima sexta-feira. A categoria reivindica 5% de aumento real (acima da inflação).