Você está aqui: Página Inicial / Trabalho / 2015 / 10 / Relatório da Comissão da Verdade da CUT traz 18 novos nomes de trabalhadores mortos

Memória

Relatório da Comissão da Verdade da CUT traz 18 novos nomes de trabalhadores mortos

Apresentação do trabalho coincidiu com a morte de Ustra. "Não há o que comemorar. Ele tinha de estar preso", afirma sindicalista. Para ele, impunidade se reflete em chacinas recentes
por Redação RBA publicado 15/10/2015 17h47
Apresentação do trabalho coincidiu com a morte de Ustra. "Não há o que comemorar. Ele tinha de estar preso", afirma sindicalista. Para ele, impunidade se reflete em chacinas recentes
lidyane ponciano
rela.jpg

Após apresentação do relatório, militantes e dirigentes exibem seus exemplares

São Paulo – No penúltimo dia de seu congresso nacional, a CUT apresentou hoje (15) relatório da comissão da verdade da própria central, listando outros nomes de vítimas da ditadura e cobrando responsabilização de empresas que colaboraram com a repressão. A apresentação do trabalho coincidiu com a notícia da morte, aos 83 anos, do coronel reformado Carlos Alberto Brilhante Ustra, um dos principais nomes ligados à tortura no regime autoritário. O anúncio foi feito em plenário pelo ex-ministro dos Direitos Humanos Paulo Vannuchi.

Não houve comemoração. "Não vamos fazer festa. Não vamos fazer como os que invadiram o velório do José Eduardo Dutra, fundador da CUT", pediu Vannuchi. E não havia mesmo o que comemorar, mas a lamentar, afirma o secretário de Políticas Sociais da central (responsável pelo relatório, junto com o Centro de Documentação e Memória - Cedoc), Expedito Solaney. "Ele tinha de estar preso pelos crimes que cometeu. Muitos lutadores tombaram em suas mãos", disse o sindicalista, para quem mesmo as chacinas de hoje refletem a impunidade dos agentes do Estado responsáveis por crimes de lesa-humanidade durante a ditadura. Impunidade garantida pela Lei da Anistia, acrescenta. "Até hoje eles se protegem por aí."

O relatório da CUT traz 18 nomes de trabalhadores mortos que não foram incluídos no texto final da Comissão Nacional da Verdade. O foco é a morte em consequência da participação em manifestações. Entre eles, três vítimas de conflitos envolvendo polícia e trabalhadores rurais nas cidades paulistas de Leme e Guariba, nos anos 1980. A central também quer apurações de casos envolvendo garimpeiros em Serra Pelada, no Pará, em 1987. "Entendemos que o massacre de Serra Pelada deve ser foco de estudo, deve ser investigado e apurado."

A entidade, que atuou com outras centrais na comissão nacional, insiste no pedido de que empresas reconheçam sua participação no financiamento a atividades de repressão durante a ditadura, inclusive em fábricas. Um nome destacado foi o da Volkswagen – segundo Solaney, a representação dos trabalhadores na empresa está se mobilizando para que isso aconteça. "O reconhecimento e o pedido de desculpas, para nós, é muito importante. A reparação deriva disso. Mas primeiro você resgata a história e a memória."

O relatório é divido em quatro partes: violações de direitos humanos, atividades de sindicatos e instâncias da CUT desde 2012, quando foi formada a comissão nacional, recomendações feitas à CNV e artigos de especialistas sobre as consequências da ditadura. O documento será entregue à Comissão de Anistia, do Ministério da Justiça.

Com informações da CUT

registrado em: , ,