Você está aqui: Página Inicial / Trabalho / 2015 / 05 / Proposta de ‘lay-off’ para 900 é aprovada na GM de São Caetano

ABC

Proposta de ‘lay-off’ para 900 é aprovada na GM de São Caetano

Medida vai até outubro. Montadora já tinha outros 819 funcionários com contratos de trabalho suspenso
por Redação RBA publicado 15/05/2015 18h14, última modificação 15/05/2015 18h14
Medida vai até outubro. Montadora já tinha outros 819 funcionários com contratos de trabalho suspenso
Sind Met São Caetano
Aparecido Inácio da Silva

"É uma medida paliativa", diz Cidão, presidente do Sindicato dos Metalúrgicos de São Caetano

São Paulo – Assembleia realizada na tarde de hoje (15) em São Caetano do Sul, na região do ABC paulista, aprovou proposta de incluir mais 900 funcionários da General Motors (GM) no sistema de lay-off (suspensão do contrato de trabalho). Parte deles já estava em licença remunerada. A medida vale a partir da próxima segunda-feira (18) e vai até 17 de outubro. A GM tem outros 819 empregados em lay-off desde 10 de novembro – nesse caso, a suspensão, prorrogada, vai até 9 de junho.

"É uma medida paliativa", afirmou o presidente do Sindicato dos Metalúrgicos de São Caetano, Aparecido Inácio da Silva, o Cidão, que diz buscar outras alternativas para evitar demissões na fábrica, que tem 10 mil trabalhadores. "A  não ser que até lá (outubro) a economia retome. Vamos ter de torcer."

De acordo com o sindicato, na sexta-feira passada foram dispensados 150 trabalhadores. "Foi uma atitude arbitrária da empresa", disse Cidão. A GM fala em rotatividade de mão de obra. Outras montadoras da região, como Volkswagen, Ford e Mercedes-Benz, em São Bernardo do Campo, estão recorrendo ao lay-off ou a férias coletivas. Isso também ocorre na Pirelli, fabricante de pneus, em Santo André e outras fábricas do país.