Você está aqui: Página Inicial / Trabalho / 2014 / 07 / Metrô de São Paulo reincorpora dois funcionários demitidos após greve

desdobramentos

Metrô de São Paulo reincorpora dois funcionários demitidos após greve

Metroviários já estão trabalhando. De acordo com sindicato, eles foram demitidos 'por engano' junto com outros 40, pois não participaram dos piquetes
por Rodrigo Gomes e Tadeu Breda, da RBA publicado 16/07/2014 14h06, última modificação 18/07/2014 12h50
Metroviários já estão trabalhando. De acordo com sindicato, eles foram demitidos 'por engano' junto com outros 40, pois não participaram dos piquetes
facebook/reprodução
greve

Greve da categoria paralisou parcialmente o sistema entre 5 e 9 de junho, às vésperas da Copa do Mundo

São Paulo – O Metrô de São Paulo reincorporou ao menos dois dos 42 funcionários demitidos após a greve da categoria, que paralisou parcialmente o sistema de 5 a 9 de junho, às vésperas da Copa do Mundo. Os dois metroviários estão trabalhando desde a segunda-feira (7), mas preferem ter a identidade preservada para evitar novas represálias da companhia.

De acordo com integrantes do Sindicato dos Metroviários de São Paulo, que avalia as demissões como uma retaliação política do governo do estado, o desligamento desses dois funcionários era ainda mais absurdo que os demais: eles haviam sido incluídos “por engano” na lista de demitidos.

Leia também:

Apesar de terem aderido às paralisações, nenhum deles participou das “ações de convencimento” que os grevistas realizaram nas estações Bresser-Moóca, Brás, Santa Cecília, na Linha 3-Vermelha, e Ana Rosa, que integra as linhas 1-Azul e 2-Verde, na tentativa de impedir que funcionários da administração e supervisores levassem adiante o plano de contingência proposto pela empresa.

A participação nos chamados piquetes, reprimidos pela Tropa de Choque da Polícia Militar, foi o maior argumento utilizado pelo Metrô e pelo governo do estado para demitir os grevistas. O governador Geraldo Alckmin (PSDB) sustenta que os metroviários “depredaram” o patrimônio da companhia e “impediram” a circulação dos trens. Os metroviários negam com veemência.

“É a primeira vitória da campanha pela readmissão e mostra que é possível reverter as outras demissões”, diz um informativo veiculado hoje (16) pelo sindicato, que elenca as atitudes que vem tomando para convencer a empresa a reincorporar os trabalhadores. “A reintegração é consequência da luta da categoria, que vai continuar até que todos voltem a seus postos de trabalho.”

Procurado pela RBA, o Metrô só respondeu às 21h, nove horas depois da solicitação da reportagem. A companhia, porém, não explicou a razão da demissão dos metroviários agora reincorporados, nem o motivos de sua readmissão. "A reintegração dos dois funcionários é prova da correção e senso de justiça que balizam a relação do Metrô com seus funcionários", disse, em nota. "Foram assegurados a todos o direito de ampla defesa em respeito às garantias individuais e apreço a classe dos metroviários".

Mobilização

Amanhã (17), os trabalhadores vão ingressar com processo na Justiça do Trabalho pela reintegração dos outros 40 demitidos. Os recursos administrativos apresentados pelos metroviários à companhia, contra as demissões por justa causa, não foram aceitos. A ação será precedida de um ato público na Praça da Sé, no centro da capital, às 16h.

Na sexta-feira (18), às 18h, será realizado um outro ato público, na Câmara Municipal de São Paulo, em defesa do direito de greve e das manifestações. Os metroviários avaliam que a repressão à greve é parte de um processo de criminalização dos movimentos sociais e de trabalhadores.

Na última segunda-feira (14), os metroviários participaram de uma audiência pública na Comissão de Direitos Humanos do Senado. O senador Paulo Paim (PT) se comprometeu a encaminhar uma carta pedindo a reintegração dos demitidos ao governador Geraldo Alckmin (PSDB), em nome da comissão.

Dois projetos de lei foram protocolados propondo a anistia aos trabalhadores demitidos. Um na Assembleia Legislativa de São Paulo, de iniciativa da deputada estadual Leci Brandão (PCdoB), e outro, da deputada federal Luiza Erundina (PSB-SP), na Câmara.