Você está aqui: Página Inicial / Trabalho / 2014 / 07 / Cinco centrais seguem reconhecidas pelo Ministério do Trabalho

Representatividade

Cinco centrais seguem reconhecidas pelo Ministério do Trabalho

CUT mantém o maior índice entre sindicalizados. UGT ganha espaço e se aproxima da Força. CTB também cresce
por Redação RBA publicado 18/07/2014 15h50
CUT mantém o maior índice entre sindicalizados. UGT ganha espaço e se aproxima da Força. CTB também cresce
leonardo severo/cut
cut

CUT, central com maior índice: 34,39%, percentual próximo ao apurado em 2008, quando a lei entrou em vigor (35,84%)

São Paulo – Cinco centrais sindicais seguem acima do índice de representatividade, segundo lista publicada na edição de hoje (18) do Diário Oficial da União, com despacho do ministro do Trabalho e Emprego, Manoel Dias. Pela Lei 11.648, de 2008, que reconheceu legalmente as centrais, as entidades têm de representar pelo menos 7% dos trabalhadores sindicalizados no país. Isso dá direito a participação em fóruns e conselhos públicos e a 10% da contribuição sindical, repartidos entre as centrais.

Conforme a lista, a CUT segue sendo a central com maior índice: 34,39%, percentual próximo ao apurado em 2008, quando a lei entrou em vigor (35,84%). A Força Sindical continua em segundo, com 12,59%, praticamente o mesmo índice de seis anos atrás (12,33%).

Duas centrais mostraram crescimento nesse período. A UGT, que tinha 6,29% em 2008, apresenta agora índice de 11,42%. E a CTB foi de 5,09% para 9,33%.

A quinta central acima do índice mínimo é a Nova Central, com 8,01%, também acima da apuração de 2008 (6,27%).

Segundo relatório do Ministério do Trabalho, com dados do Cadastro Nacional de Entidades Sindicais (CNES), a CUT tem 2.282 filiados com atualizações validadas, ante 1.636 da Força, 1.173 da UGT, 1.085 da Nova Central e 699 da CTB.

A CSB, que teve recurso indeferido para figurar na lista das centrais com índice de representatividade acima do exigido (tem 5,42%), aparece com 436 entidades.