1º de maio

Ministério receberá propostas para manutenção do emprego

Afirmação foi feita pelo ministro do Trabalho durante ato de 1º de Maio realizado no Anhangabaú

Danilo Ramos/RBA
IMG_1068.jpg

Ato público de 1º de Maio da CUT ocupou Vale do Anhangabaú, com shows e pauta dos trabalhadores

São Bernardo do Campo – O ministro do Trabalho, Manoel Dias, afirmou ontem (1º) que o governo federal está flexível a receber propostas para viabilizar a manutenção do emprego em épocas de crise econômica. A afirmação foi feita no ato do 1º de Maio realizado pela CUT e outras centrais sindicais no Vale do Anhangabaú, na Capital.

As centrais apresentaram ao governo um programa de proteção ao emprego semelhante ao que é utilizado na Alemanha. Acredito ser um mecanismo eficiente e que podemos estudar para ser adotado no Brasil”, disse Dias, ao acrescentar que o governo está flexível a negociar com as centrais sindicais.

Sobre a redução da jornada de trabalho para 40 horas semanais, o ministro afirmou que é possível, uma vez que algumas categorias já adotaram a medida. “Outras áreas do governo devem avaliar essa questão conjuntamente.”

Além da questão econômica que foi um dos temas do ato, o presidente do Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, Rafael Marques, ressaltou  a importância de reunir os trabalhadores neste dia. “O 1º de Maio é para reforçar as pautas da luta trabalhista e também para comemorar o que os trabalhadores conquistaram até hoje”, afirmou Marques.

João Cayres, diretor da Confederação Nacional dos Metalúrgicos (CNM), ressaltou também a importância de comemorar no 1º de Maio conquistas dos trabalhadores. “É o caso da política de valorização do salário mínimo, pauta trabalhista antiga abraçada nos governos Lula e Dilma.”

Leia também

Últimas notícias