Você está aqui: Página Inicial / Trabalho / 2014 / 03 / Depois de protesto, ministro receberá representantes dos policiais federais

Greve

Depois de protesto, ministro receberá representantes dos policiais federais

Como atividade da paralisação de 72 horas, que vai até amanhã, servidores organizaram a 'Marcha dos Elefantes Brancos', em Brasília, e farão vigília em frente ao Ministério da Justiça
por Viviane Claudino, da RBA publicado 12/03/2014 19h48
Como atividade da paralisação de 72 horas, que vai até amanhã, servidores organizaram a 'Marcha dos Elefantes Brancos', em Brasília, e farão vigília em frente ao Ministério da Justiça
Fenapef
elefante branco fenapef

Sindicalistas afirmam que as maiores fragilidades da segurança pública estão nas fronteiras e aeroportos

São Paulo – Representantes dos funcionários da Polícia Federal vão se reunir com o ministro-chefe da Secretaria-Geral da Presidência da República, Gilberto Carvalho, na próxima segunda-feira (17), segundo informou a federação nacional da categoria, a Fenapef. Também está previsto encontro, na terça, no Ministério do Planejamento. Em greve nacional de 72 horas, que termina amanhã (13), os trabalhadores aguardam uma resposta para as reivindicações. O movimento tem adesão de agentes, escrivães e papiloscopistas. Eles reivindicam melhores condições de trabalho, mais contratações, reestruturação da carreira e definição das atribuições dos agentes garantidas em lei, assim como mais investimentos e reconhecimento profissional.

"Nunca tivemos as portas do governo fechadas para nos receber, porém todas as vezes que nos reunimos ouvimos apenas que temos razão e que eles buscarão alternativas para resolver nossos problemas. Estamos nessa luta há mais de cinco anos”, disse o presidente da Fenapef, Jonas Borges Leal. Na tarde de hoje (12), os sindicalistas organizaram a "Marcha dos Elefantes Brancos", na Esplanada dos Ministérios, em Brasília, em crítica aos inquéritos policiais, que consideram obsoletos. À noite, seria feita uma vigília em frente ao Ministério da Justiça. Cerca de mil trabalhadores participam das manifestações, segundo a federação.

A entidade defende ainda a regulamentação da Lei 12.855/2013, conhecida como adicional de fronteira, que prevê gratificação aos trabalhadores que atuam com prevenção, controle e fiscalização em áreas fronteiriças. "Com isso, os trabalhadores que atuam em fronteiras, ou locais de difícil fixação, receberiam pagamento adicional de R$ 91 por dia de trabalho", disse Leal. Eles apontam outros problemas, como a terceirização.

"No aeroporto de Brasília, por exemplo, temos dois policiais federais para 30 terceirizados. São pessoas que têm acesso a muitas informações sem o menor conhecimento, preparo ou compromisso com o Estado", diz o dirigente. Para a Fenapef, a falta de recursos e de reconhecimento profissional e salarial estão entre os fatores responsáveis pela desmotivação dos policiais. A entidade afirma que nos últimos sete anos a categoria acumula perdas de aproximadamente 40%.