Você está aqui: Página Inicial / Trabalho / 2013 / 07 / Comissão sobre terceirização estende negociação até 5 de agosto

Sem acordo

Comissão sobre terceirização estende negociação até 5 de agosto

CUT informa que sugestão das centrais foi aceita por relator de projeto na Câmara depois que empresários discordaram de mudanças propostas por representantes dos trabalhadores
por Redação RBA publicado 09/07/2013 18h28, última modificação 10/07/2013 12h23
CUT informa que sugestão das centrais foi aceita por relator de projeto na Câmara depois que empresários discordaram de mudanças propostas por representantes dos trabalhadores
Lúcio Bernardo Jr/Câmara
arthur.jpg

Arthur Maia se comprometeu a não colocar texto em votação até que se negocie acordo

São Paulo – A comissão quadripartite que negocia uma alternativa ao Projeto de Lei 4.330, de 2004, que trata da terceirização de atividades das empresas, estendeu o prazo de negociação até 5 de agosto. O relator do PL na Comissão de Constituição e Justiça da Câmara, deputado Arthur Maia (PMDB-BA), aceitou a proposta feita pelas centrais de adiar a apreciação do texto, segundo nota emitida pela CUT.

De acordo com a entidade, mantém-se o esforço para que o PL do deputado Sandro Mabel (PMDB-GO) não seja votado hoje (10) pela Comissão de Constituição e Justiça da Câmara, depois que os representantes dos empresários rejeitaram as alterações propostas pelas centrais sindicais.

Criada na última semana com representantes do governo e do Legislativo, a comissão tinha até hoje para alcançar um consenso. Sem avanços, espera-se agora que a negociação renda frutos até a primeira semana de agosto para que se apresente um novo texto na CCJ.

O presidente da CUT, Vagner Freitas, reiterou que a comissão oferece uma oportunidade de diálogo que não pode ser desperdiçada. "Aceitamos discutir um tema com o qual, a princípio e por princípio, o movimento sindical discorda na essência. É importante que este momento não seja desperdiçado. Porém, nada terminativo resolve qualquer tipo de problema. O que resolve é a negociação, mas precisamos de mais tempo para tentar chegar a um acordo", disse.