trabalho

Proposta de jornada de 30h não basta para por fim a greve em SP, diz Sindsaúde

Presidente do sindicato, Gervásio Foganholi, disse que o secretário Giovanni Cerri propôs hoje regulamentar jornada, mas não discutiu outras reivindicações dos grevistas

saude23.jpg

Servidores públicos estaduais da saúde fazem hoje assembleia para decidir sobre continuidade da greve

São Paulo – O presidente do Sindicato dos Trabalhadores da Saúde no Estado de São Paulo (SindSaúde), Gervásio Foganholi, afirmou hoje (23) que o secretário estadual de Saúde, Giovanni Cerri, apresentou uma proposta para regulamentar a jornada de 30 horas para funcionários administrativos, mas nenhuma às outras reivindicações de servidores da área, em greve desde o dia 2.

Segundo Foganholi, a reunião com Cerri, realizada nesta tarde na Secretaria de Saúde, foi a primeira desde o início da paralisação. “Neste ponto, foi um avanço, um começo de negociação, mas precisamos avançar na discussão sobre a reposição de perdas”, disse.

Os servidores públicos estaduais da saúde reivindicam 32,2% de reajuste salarial, referentes aos últimos cinco anos, vale-refeição de R$ 26,22, pagamento de prêmios iguais para todos os servidores e transparência no uso das verdas do Fundo Estadual de Saúde (Fundes). Amanhã, os servidores decidem em assembleia, às 10h, no centro de São Paulo, o rumo do movimento grevista.

Para o dirigente, só a regulamentação da jornada de 30 horas não será suficiente para formalizar uma proposta de suspensão da greve. A Secretaria Estadual de Saúde foi procurada para comentar o assunto, mas não respondeu à solicitação. De acordo com o SindSaúde, a paralisação atinge cerca de 40 unidades de saúde no estado.