Você está aqui: Página Inicial / Trabalho / 2012 / 06 / CUT protesta em São Paulo contra falta de investimento em transporte público

CUT protesta em São Paulo contra falta de investimento em transporte público

Ato será realizado na sexta-feira de manhã, com concentração às 10h no Masp e caminhada até o centro
por Redação da RBA publicado , última modificação 27/06/2012 18h31
Ato será realizado na sexta-feira de manhã, com concentração às 10h no Masp e caminhada até o centro

São Paulo – Sindicalistas ligados à CUT de São Paulo protestam na sexta-feira (29) contra o descaso e a falta de investimentos do governo estadual em mobilidade urbana. A concentração será no vão do Masp, na Avenida Paulista, a partir das 10h. Em seguida, os trabalhadores caminham até o centro da capital paulista.

"A paciência dos trabalhadores e trabalhadoras já se esgotou", afirmou o presidente da CUT paulista, Adi dos Santos Lima, em nota. "Está passando da hora de haver uma reação por parte da população." Segundo Adi, em todo o estado os trabalhadores enfrentam serviços de transporte de má qualidade e altas tarifas. 

Leia também:
  • O caminho é coletivo – Nova política de mobilidade urbana é instrumento para a sociedade cobrar melhores condições de transporte nos grandes centros

"Os trabalhadores e trabalhadoras, que perdem longas horas em ônibus, trens do metrô e da CPTM (Companhia Paulista de Trens Metropolitanos), têm sofrido impacto direto tanto pela má qualidade do serviço, quanto pelos custos da tarifa", afirmaa CUT.

Segundo a instância paulista da central, as panes no metrô e nos trens refletem a falta de investimentos e de prioridade ao transporte público. Nos últimos cinco anos, a CUT lista a ocorrência de 99 panes no Metrô. Nos trens da CPTM, foram 124 falhas até maio deste ano. No período entre 1999 e 2011, levantamento da central aponta que o governo estadual deixou de investir R$ 10,34 bilhões, quase metade do valor previsto para o período – R$ 22,85 bilhões.

Outro problema é a expansão lenta do modal metro-ferroviário no estado de São Paulo. Desde 1995, foram construídos 1,93 quilômetros por ano. "Aumento insuficiente para os mais de 4 milhões de passageiros transportados diariamente", citou a nota da CUT. Os sindicalistas também chamam atenção para o mau uso do dinheiro público. Em São Paulo, o custo do quilômetro de metrô construído chega a R$ 400 milhões, ante os US$ 42 milhões - cerca de R$ 85 milhões -, investidos para realização do mesmo trecho em Madri, na Espanha.

Quanto aos ônibus, a crítica diz respeito ao valor das tarifas e a má qualidade do serviço prestado. "Nos ônibus, o alto valor das tarifas pesa no bolso dos trabalhadores e trabalhadoras, que pagam por um serviço de má qualidade não só na capital, mas em todo o estado. Entre as capitais brasileiras, São Paulo é a que tem a tarifa mais cara, a R$ 3."