Você está aqui: Página Inicial / Trabalho / 2012 / 05 / Mais três universidades aderem à greve dos professores federais

Mais três universidades aderem à greve dos professores federais

Greve chegou ao 11º dia com 52 universidades paradas. Sindicato descarta fim da greve enquanto governo não fizer novas propostas
por Redação da RBA publicado , última modificação 28/05/2012 12h24
Greve chegou ao 11º dia com 52 universidades paradas. Sindicato descarta fim da greve enquanto governo não fizer novas propostas

São Paulo – A greve dos professores federais entrou hoje (28) no seu 11º dia com a adesão da Universidade Federal de Grande Dourados (UFDG-MS), de Santa Maria (UFSM-RS) e o campus de Jataí da Universidade Federal de Goiás (UFG). Com isso, o número total de universidades paradas chega a 52. Segundo o Sindicato Nacional dos Docentes das Instituições de Ensino Superior (Andes), o movimento só deverá ter fim quando o governo apresentar proposta às reivindicações.

A categoria pede carreira única com incorporação das gratificações em 13 níveis remuneratórios, variação de 5% entre níveis a partir do piso para regime de 20 horas correspondente ao salário mínimo sugerido pelo Dieese (atualmente calculado em R$ 2.329,35), e percentuais de acréscimo relativos à titulação e ao regime de trabalho. Os professores federais reivindicam também a reestruturação do plano de carreira que, segundo o sindicato, não permite evolução satisfatória do docente ao longo da carreira.

O Ministério da Educação reafirmou a concessão do reajuste retroativo a março de 4% à categoria, e garantiu que uma pequena parte dos docentes (180 em um total de 70 mil) ainda ganha menos que o reivindicado. O ministro Aloizio Mercadante chegou a fazer apelo para o fim do movimento grevista, que considerou "precipitado". As negociações em torno do plano de carreira se desenrolam no Ministério do Planejamento, com previsão de implementação para o ano que vem.

As negociações entre sindicato e governo começaram em agosto do ano passado. Mais de 500 mil alunos estão sem aulas em razão das greves, de acordo com o Andes. A entidade considera o movimento um dos maiores já realizados pelos docentes das instituições federais.

Com informações da Agência Brasil