Você está aqui: Página Inicial / Trabalho / 2012 / 05 / Em um mês, 167 trabalhadores foram libertados na construção civil em São Paulo

Em um mês, 167 trabalhadores foram libertados na construção civil em São Paulo

Flagrantes de escravidão aconteceram em obras dos governos federal e estadual; fiscais registraram ainda duas mortes de trabalhadores, que estão sob investigação
por Bianca Pyl, da Repórter Brasil publicado 18/05/2012 11h31, última modificação 18/05/2012 13h18
Flagrantes de escravidão aconteceram em obras dos governos federal e estadual; fiscais registraram ainda duas mortes de trabalhadores, que estão sob investigação

São Paulo – Em um mês, 167 trabalhadores foram libertados de condições análogas às de escravos em três obras no interior de São Paulo, sendo duas delas construções de casas populares por parte dos governos federal e estadual. Além das libertações, os fiscais do Ministério do Trabalho e Emprego e os procuradores do Ministério Público do Trabalho registraram duas mortes recentes nas obras fiscalizadas.

Uma delas é a de um trabalhador de 39 anos que morreu após cumprir 15 horas de jornada e caminhar duas horas para receber parte do salário. A Secretaria de Inspeção do Trabalho (SIT) abriu investigação por averiguar se o episódio pode ser considerado acidente de trabalho. A outra morte foi a de um operário eletrocutado.

Os resgates ocorreram entre 13 de abril e 9 de maio. A maior parte dos libertados veio do Maranhão e do Piauí. De acordo com as equipes de fiscalização, os resgatados estavam submetidos a condições degradantes de trabalho, tendo sido obrigados a conviver com ratos, em moradias precárias, superlotadas e improvisadas. Alguns não recebiam salários, apenas vales – ficando impossibilitados de retornar para casa e, portanto, tendo a liberdade restringida.

Minha Casa, Minha Vida

O maior resgate ocorreu na construção de 557 casas em Fernandópolis, obra do programa Minha Casa, Minha Vida, do governo federal, financiada pela Caixa Econômica Federal. No local, 90 migrantes maranhenses e piauienses estavam sem receber salários e tendo liberdade de ir e vir cerceada. Foi nesta obra que o trabalhador morreu após caminhar por cerca de duas horas. A obra está sendo executada pela empreiteira Geccom Construtora Ltda. Segundo Chindy Teraoka, advogado da empresa, o trabalhador "não quis aguardar o transporte oferecido pela empresa". Ele diz que a família recebeu apoio e que a empresa pagou pelo translado do corpo. Sobre as libertações, Chindy alega que a construtora não sabia da situação porque os empregados eram contratados de empreiteiras que prestavam serviço para a Geccom.

Sem receber salários regularmente, apenas vales com pequenos valores, os trabalhadores não tinham como deixar o local de trabalho. O grupo cumpria jornadas de até 15 horas e vivia em um alojamento superlotado. Alguns dormiam no chão. A fiscalização foi iniciada em 4 de maio e finalizada dia 9, quando eles receberam as verbas rescisórias e retornaram às suas cidades. A obra do conjunto habitacional foi embargada. O advogado da construtora nega que a jornada de trabalho adotada fosse acima do permitido pela legislação e disse que irá apresentar defesa assim que o processo administrativo do Ministério do Trabalho e Emprego for concluído.

Por conta do flagrante, a secretária nacional de Habitação, Inês Magalhães, e o presidente da Caixa Econômica Federal, Jorge Fontes Hereda, podem ser convocados para dar explicações sobre os casos na Comissão Estadual de Direitos Humanos de São Paulo. O deputado Carlos Bezerra Jr. (PSDB) protocolou na última quinta-feira (10) pedido de convocação que deve ser votado no próximo dia 22.

O Ministério das Cidades enviou nota dizendo que "entrou em contato com a Caixa Econômica Federal e serão tomadas as medidas legais cabíveis para correção das irregularidades na contratação da mão-de-obra", e que "a fiscalização das verbas é feita pela Caixa".

Já a Caixa Econômica Federal disse, também em nota, que "não foi notificada pelo Ministério do Trabalho e Ministério Público do Trabalho. Conforme informações da construtora à Caixa, foram adotadas as providências exigidas pelo Ministério Público do Trabalho para liberação da retomada da obra, mediante assinatura de compromissos da empresa junto aos funcionários".

Outra morte que está sendo investigada é a de um empregado de 33 anos da empresa de pré-moldados para construção civil Rockenbach. O trabalhador morreu eletrocutado em abril, o que levou a Gerência Regional do Trabalho e Emprego (GRTE) de Campinas a interditar a obra. Contudo, o proprietário da empresa, Neri Rockenbach, desrespeitou a interdição e foi preso pela Polícia Federal (PF). A prisão ocorreu em 12 de abril. O empresário foi indiciado pela PF e responderá aos crimes de exercício de atividade com infração de decisão administrativa e de periclitação, que é colocar alguém em situação de risco. Se condenado, pode pegar pena máxima somada de 3 anos de detenção pelos dois crimes. Ele foi liberado mediante o pagamento de fiança e responde ao processo em liberdade.

Para ler a matéria completa da Repórter Brasil, clique aqui

registrado em: