Você está aqui: Página Inicial / Trabalho / 2012 / 05 / Comissão do Senado aprova suspensão de crédito para quem explorar mão de obra escrava

Comissão do Senado aprova suspensão de crédito para quem explorar mão de obra escrava

por Marcos Chagas, da Agência Brasil publicado , última modificação 30/05/2012 12h04

Brasília – Produtores e cooperativas rurais condenados em decisão administrativa final por exploração de mão de obra análoga à escrava poderão perder o direito a qualquer concessão de créditos e subvenção econômica do governo. A proposta foi aprovada hoje (30) na Comissão de Assuntos Sociais (CAS) do Senado e, agora, será submetida em caráter terminativo à Comissão de Agricultura. Se aprovada, seguirá para a análise da Câmara dos Deputados.

A relatora, Ana Amélia Lemos (PP-RS), estendeu em seu parecer a punição às empresas localizadas em área urbana. Ela destacou que a prática de alguns empresários e comerciantes de usar mão de obra análoga à escravidão, especialmente bolivianos, tem se tornado cada vez mais recorrente no país.

Para que se cumpra a punição será tomado por base o auto de infração lavrado por fiscais aos empregadores que constam do cadastro atualizado do Ministério do Trabalho e Emprego. "Em todo esse procedimento, é respeitado o princípio da ampla defesa, do contraditório, bem como do devido processo legal administrativo", destacou a relatora Ana Amélia Lemos (PP-RS).

A senadora lembrou que desde a criação do cadastro do Ministério do Trabalho que disponibiliza os nomes dessas empresas foram tomadas providências para coibir o trabalho escravo. Entre elas, a relatora destacou o afastamento de empresas e consumidores dos produtos e serviços fornecidos por aqueles que foram autuados pela fiscalização trabalhista.

Entre 2004 e 2008, o Ministério do Trabalho resgatou 21.667 trabalhadores em condições análogas à de escravidão.