Você está aqui: Página Inicial / Trabalho / 2012 / 03 / Centrais divulgam 1º de Maio e esperam por novo ministro do Trabalho

Centrais divulgam 1º de Maio e esperam por novo ministro do Trabalho

Segundo presidente da Força Sindical, faltam "detalhes" para definição do nome
por Vitor Nuzzi, da RBA publicado , última modificação 13/03/2012 15h52
Segundo presidente da Força Sindical, faltam "detalhes" para definição do nome

São Paulo – Enquanto se preparam para o 1° de Maio e para um ato contra a desindustrialização, as centrais sindicais vivem a expectativa do anúncio do novo ministro do Trabalho. O cargo é ocupado por um interino (Paulo Pinto) desde a queda de Carlos Lupi, em dezembro. O nome da vez é o do deputado Brizola Neto (PDT-RJ). Durante ato de lançamento das atividades do Dia do Trabalho, o secretário-geral da Força Sindical, João Carlos Gonçalves, o Juruna, disse que tudo estava praticamente encaminhado para a nomeação. O presidente da Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil (CTB) em São Paulo, Onofre Gonçalves de Jesus, já destacava o fato de as centrais voltarem a ter um interlocutor no ministério.

No entanto, segundo o presidente nacional da Força, o deputado federal Paulo Pereira da Silva, o Paulinho (PDT), faltam "uns detalhezinhos" para serem resolvidos. Haveria ainda uma reunião entre a presidenta Dilma Rousseff e o presidente do partido, justamente o ex-ministro Lupi. Amanhã (14), Dilma recebe líderes das centrais para discutir uma pauta que inclui defesa da indústria, fator previdenciário, reajuste para aposentados e aumento para o setor público. Dessa reunião pode sair o nome do novo ministro.

Das 10h às 11h30 de hoje (13), representantes de cinco centrais estiveram na praça Ramos de Azevedo, região central de São Paulo, distribuindo cupons para o sorteio de prêmios que será realizado no 1º de Maio, na praça Campo de Bagatelle, na zona norte da capital. O evento volta para o local após interrupção em 2011, por causa da corrida de Fórmula Indy. Os sindicalistas esperam pela presença de 1,5 milhão a 2 milhões de pessoas. A CUT fará sua atividade à parte.

Antes disso, em 4 de abril, está prevista manifestação diante da Assembleia Legislativa paulista contra a desindustrialização. No final deste mês, estão programados atos no Rio Grande do Sul e em Santa Catarina. No caso de São Paulo, a CUT estadual também participará da atividade.