Você está aqui: Página Inicial / Trabalho / 2011 / 07 / Trabalhadores intensificam vigília por PLR em bases da Petrobras

Trabalhadores intensificam vigília por PLR em bases da Petrobras

Petroleiros pressionam ainda contra pagamento de bônus para executivos
por Redação da RBA publicado 27/07/2011 15h59, última modificação 27/07/2011 18h58
Petroleiros pressionam ainda contra pagamento de bônus para executivos

São Paulo – Os petroleiros iniciaram vigília e operação padrão em diversas unidades de produção, refino, terminais e áreas de exploração da Petrobras na madrugada desta quarta-feira (27). O dia foi escolhido pela categoria para mobilização por um melhor programa de participação nos lucros ou resultados (PLR) e contra a prática de bônus por desempenho aos executivos e gerentes, o chamado "surbônus". A gratificação foi barrada em 2003 e, segundo os trabalhadores, está na iminência de ser retomada.

Segundo a Federação Única dos Petroleiros (FUP), as atividades foram iniciadas nas duas maiores refinarias da estatal, a do Planalto (Replan), em Paulínia (SP), e a de Duque de Caxias (Reduc), no Rio de Janeiro. Na Reduc, o supervisor da segurança patrimonial retirou as faixas alusivas à mobilização que o Sindipetro Caxias havia colocado nas grades antes do arco da refinaria, o que foi considerado prática antissindical pelos militantes. Os funcionários protestam também contra os acidentes de trabalho recorrentes nas unidades.

Na região Norte, os petroleiros da Refinaria Gabriel Passos (Regap), e terminais da Transpetro de Manaus aderiram à mobilização com atraso na entrada. No Nordeste, algumas unidades realizaram assembleia para definir novas paralisações, como na Bahia – na Refinaria Landulpho Alves Mataripe (RLAM), o Sindicato dos Petroleiros da Bahia (Sindipetro-BA) propôs uma paralisação de 11 horas.

No Porto de Suape, em Pernambuco, a adesão à vigília foi de 100% com a paralisação de 400 trabalhadores durante uma parte do dia. No Ceará, os petroleiros da refinaria Lubrificantes e Derivados de Petróleo do Nordeste (Lubnor) também seguem paralisados. No Rio Grande do Norte, as bases não emitiram permissão de trabalho e os funcionários pretendem permanecer em mobilização até esta sexta-feira (29) com a participação também de Macaíba.

Outros estados que aderiram ao dia de mobilização são Minas Gerais, Espírito Santo, Paraná e Rio Grande do Sul. A promessa da FUP é de que o movimento se intensifique.

A categoria reivindica 25% do valor de dividendos distribuídos aos acionistas da estatal. O percentual baseia-se, segundo a FUP, na Lei 10.101/2000 e na Resolução 10 do Departamento de Coordenação e Controle das Empresas Estatais (Dest), vinculado ao Ministério do Planejamento. São elas que definem regras para o pagamento de PLR em empresas públicas.

Em agosto, uma conferência nacional irá definir detalhes da campanha salarial deste ano. A data-base é 1º de setembro. Além das questões econômicas, a categoria deve incluir reivindicações como a interrupção do que chamam de "desmonte" da Assistência Multidisciplinar de Saúde (AMS). Eles devem cobrar ainda agilidade na aprovação do plano de previdência complementar Petros-2 para os trabalhadores da Transpetro.

registrado em: , , ,