Você está aqui: Página Inicial / Trabalho / 2011 / 07 / Alckmin anuncia reajuste de 15% para policiais e agentes penitenciários

Alckmin anuncia reajuste de 15% para policiais e agentes penitenciários

Proposta segue para aprovação da Alesp
por Redação da RBA publicado 14/07/2011 19h01, última modificação 14/07/2011 19h42
Proposta segue para aprovação da Alesp

São Paulo - o governador do Estado de São Paulo, Geraldo Alckmin, anunciou nesta quinta-feira (14) reajuste imediato de 15% no salário-base dos policiais militares, civis e agentes penitenciários. Pela proposta do governo, que será encaminhada para a Assembleia Legislativa, o aumento salarial seria escalonado para 2011, além de mais 11% para agosto de 2012, totalizando 27,7% de reajuste.

A categoria e o governo negociavam há três meses a possibilidade de aumento salarial. Segundo Alckmin, o pagamento da primeira parcela do reajuste para os 150 mil servidores ativos e 103 mil aposentados e pensionistas a partir de julho significa despesa de R$ 700 milhões nas contas do governo este ano. Com o reajuste, o salário-base do soldado passa a ser de R$ 2.614 e o de delegado, de R$ 6.920.

"Nós teremos R$ 1,36 bilhões a mais por ano na folha de pagamento da polícia e da administração penitenciária. Além dos esforços de capacitação das nossas polícias, do programa que vamos lançar de moradia para os nossos funcionários públicos e nossos esforços de equipamentos, armamentos, condições de trabalho, reestruturação e aumento também da força policial", disse Alckmin.

O texto da proposta sugere algumas mudanças, como o fim da quarta classe - que é o primeiro estágio da carreira do servidor. Além disso, permite que policiais civis com 25 anos de trabalho prestado na corporação peçam aposentadoria, além da possibilidade de serem promovidos por mérito e por tempo de serviço (promoção automática).

Ainda segundo o texto, um incentivo especial poderá ser criado aos policiais militares que cumprirem o período necessário e foram preteridos três vezes. Eles poderão se aposentar no posto imediato (um capitão nestas condições poderá se aposentar como major, por exemplo).

Procurada pela Rede Brasil Atual para comentar o anúncio, a diretoria da Associação dos Oficiais da Polícia Militar do Estado de São Paulo estava em reunião com o secretário da Segurança Pública, Antonio Ferreira Pinto, para conhecer mais detalhes sobre a proposta de reajuste.