Você está aqui: Página Inicial / Trabalho / 2011 / 06 / Sem proposta do governo, servidores da saúde fazem paralisação de 48 horas

Sem proposta do governo, servidores da saúde fazem paralisação de 48 horas

Quantidade de hospitais que aderem ao movimento indica insatisfação da categoria. Assembleia está marcada para sexta-feira
por leticiacruz publicado , última modificação 15/06/2011 16h10
Quantidade de hospitais que aderem ao movimento indica insatisfação da categoria. Assembleia está marcada para sexta-feira

Servidores públicos da saúde estão em greve por 48 horas (Foto: Guilherme Amorim/RBA)

São Paulo – Os servidores públicos da Saúde de São Paulo fazem paralisação de 48 horas a partir desta quarta-feira (15), após diversas tentativas de negociar com o governo estadual. Eles estão em campanha salarial há três meses por 26% de reajuste. No entanto, a Secretaria Estadual de Saúde ainda não apresentou proposta para a categoria, mesmo em negociação com o secretário Giovanni Cerri.

Em carta aberta à população, o Sindicato dos Trabalhadores Públicos da Saúde no Estado de São Paulo (SindSaúde-SP) informa que o governo oferece somente um adicional de até R$ 39 no Prêmio de Incentivo, que seria parte da remuneração e representaria no máximo 4% de reajuste do salário total. A categoria se queixa  de que o governador Geraldo Alckmin (PSDB) e os secretários de governo tiveram 26% de aumento (mesmo índice pleiteado pelos servidores), enquanto os salários-base dos servidores da Saúde variam de R$ 180,35 a R$ 414,30.

"Esse governo diz que é um novo governo, que quer dialogar com os sindicatos, mas é o mesmo que há 16 anos não investe em saúde pública, terceiriza os serviços, paga os piores salários do Brasil e reduz o atendimento aos usuários dos serviços públicos. Lutamos para reverter esse quadro", diz a carta.

Segundo o secretário-geral do SindSaúde, Helcio Aparecido Marcelino, a entidade está surpresa com a quantidade de unidades que estão aderindo à greve. "Nós estamos surpresos, são muitas unidades seguindo na luta com a gente", disse. "Até agora, é silêncio total da parte do governo. Nenhuma contrapartida, nenhuma proposta". A assembleia que vai definir os rumos do movimento está marcada para a manhã da sexta-feira (17), na capital paulista.

Até o momento, segundo o sindicato, estão em greve funcionários do Hospital das Clínicas, do Centro de Referência da Saúde da Mulher, do Hospital Darcy Vargas e de mais 15 hospitais da Grande São Paulo, além de sete em cidades do interior, como Assis, Sorocaba e Lins. O atendimento de rotina (exames e consultas) está suspenso, mas as unidades mantêm o pronto-atendimento de emergências.

Além do reajuste e gratificação, os servidores reivindicam aumento no valor e redefinição para o prêmio de incentivo, extinção da política de bônus por desempenho, políticas de proteção à saúde do trabalhador, licença-maternidade de 180 dias para todos os regimes de contratação, reestruturação para o plano de carreira, entre outras. A data-base da categoria é 1º de março.