Você está aqui: Página Inicial / Trabalho / 2010 / 03 / No dia da saída, centrais criticam intransigência de Serra em negociações

No dia da saída, centrais criticam intransigência de Serra em negociações

CUT repudia atitude de governador em negar diálogo com professores em greve e em entrar na Justiça contra movimento
por Redação da RBA publicado , última modificação 31/03/2010 19h06
CUT repudia atitude de governador em negar diálogo com professores em greve e em entrar na Justiça contra movimento

São Paulo - A Central Única dos Trabalhadores (CUT) emitiu comunicado em que condena a atitude do governador de São Paulo, José Serra, de não negociar com os professores da rede pública estadual, que desde o começo do mês estão em greve.

No dia em que Serra realizou ato oficial de despedida do cargo para se candidatar à Presidência da República, a CUT lembrou alguns dos episódios vistos nas últimas semanas. Na sexta-feira (26), a Polícia Militar reprimiu protesto dos docentes nas proximidades do Palácio dos Bandeirantes, residência oficial do governador. 

No início desta semana, o PSDB, partido de Serra, decidiu ingressar no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) contra a Apeoesp, sindicato dos professores da rede estadual paulista, por supostamente utilizar recursos sindicais para a realização de campanha. A alegação é de que a presidente da instituição, Maria Izabel Noronha, teceu críticas ao governador e elogios ao governo federal, da pré-candidata pelo PT Dilma Rousseff, durante ato na capital paulista.

O presidente da CUT, Artur Henrique, entende que o tucano lança mão de métodos ditatoriais e impede o diálogo. “As alegações beiram o absurdo. Acusam a presidente da Apeoesp de ser filiada ao Partido dos Trabalhadores e de ter participado de atividade pública junto com a Ministra Dilma Rousseff. Os professores lutam por reajuste imediato de 34,3%, incorporação de todas as gratificações, um plano de carreira justo e por concurso público de caráter classificatório. Qualquer outra alegação é eleitoreira e tem como objetivo confundir a opinião pública ao deturpar a mobilização da categoria”, pontua.

O governo de São Paulo nega-se a abrir negociações afirmando que a greve dos professores tem caráter político e eleitoreiro, além de apontar baixa adesão. Para a Secretaria de Saúde de José Serra, menos de 1% dos docentes da rede oficial participam da paralisação, embora o sindicato aponte número acima de 70%.

A CUT adverte que tratar a greve dessa maneira é desrespeitar um direito garantido aos trabalhadores pela Constituição de 1988 e recorda que o governador, desde que assumiu o cargo, jamais se sentou à mesa para negociar com qualquer categoria.

A Força Sindical, também em comunicado, reforçou as críticas ao pré-candidato, afirmando que, desde 2005, os trabalhadores públicos de São Paulo tiveram reajuste de apenas 5%, contra uma inflação acumulada de 22%. Para a central, trata-se de uma atitude que demonstra intransigência e insensibilidade social, agravada pelos problemas gerados aos filhos de trabalhadores que estão matriculados em escolas públicas. “Acreditamos que o desenvolvimento do País só acontecerá com investimentos em educação e melhorias de condições de vida para os profissionais da área”, declarou João Carlos Gonçalves, o Juruna, secretário-geral da entidade.