Você está aqui: Página Inicial / Trabalho / 2009 / 10 / Metalúrgicos fecham acordo com empresas de trefilação e refrigeração

Metalúrgicos fecham acordo com empresas de trefilação e refrigeração

Após negociação no Grupo 8, nova reunião está programada com os empresários do Grupo 10 nesta sexta-feira (30)
por Redação da RBA publicado , última modificação 28/10/2009 16h45
Após negociação no Grupo 8, nova reunião está programada com os empresários do Grupo 10 nesta sexta-feira (30)

Trabalhadores do grupo 8 terão reajuste de 6,53% (Foto: Juho Tastula/Shc.xu)

A Federação Estadual dos Metalúrgicos de São Paulo (FEM-CUT) assinou a Convenção Coletiva de Trabalho (CCT), na segunda-feira (26), com o sindicato patronal que representa o Grupo 8 formado pelas empresas dos setores de trefilação, laminação de metais ferrosos, refrigeração, equipamentos ferroviários, esquadrias, construções metálicas, artefatos de ferro, rodoviários entre outros.

Os metalúrgicos decidiram aceitar a proposta patronal de reajuste salarial de 6,53% e correção de 6,3% nos pisos salariais. Os trabalhadores que ganham acima do teto salarial de R$ 4.539 terão R$ 286 incorporado ao salário. Os novos valores serão pagos retroativamente a 1º de setembro, data-base da categoria.

De acordo com a federação, a nova CCT traz mudanças importantes para os trabalhadores do Grupo 8, como redução do tempo para promoção; ausência justificada em caso de internação de filhos e cônjuge para fins cirúrgicos; estabilidade para trabalhadora que sofreu aborto e proibição de vigilância eletrônica.

“Finalmente, chegamos a consenso com esta bancada patronal. O reajuste salarial de 6,53% foi conquistado nas demais bancadas. Conquistamos no G8  a estabilidade e licença para as trabalhadoras que sofreram aborto. Este foi um avanço importante”, afirma Valmir Marques, presidente da FEM-CUT.

Negociação com G10 prossegue

A negociação da FEM com a bancada patronal do Grupo 10, das empresas de lâmpadas, material bélico, estamparia, equipamentos odontológicos, prossegue na sexta-feira (30), após quatro rodadas de negociação.

Na terça-feira (27), os metalúrgicos reuniram-se com o grupo patronal, na sede da Federação das Indústrias do estado de São Paulo (Fiesp), para debater a mudança da data-base da categoria de 1º de novembro para 1º de setembro e incluir na CCT cláusula de estabilidade no emprego até a aposentadoria para trabalhadores portadores de doença profissional.

Segundo Marques, a expectativa é que na próxima rodada, no dia 30, o G10 avance nas discussões. “Termina na sexta o prazo da vigência da  Convenção Coletiva de Trabalho 2008-2009, portanto, enquanto a bancada não avançar nas discussões da nossa pauta a pressão da categoria aumentará”, afirma Marques.

Com informações da Assessoria de Imprensa da FEM