Você está aqui: Página Inicial / Trabalho / 2009 / 06 / Pesquisa mostra desemprego estável em maio nas regiões metropolitanas

Pesquisa mostra desemprego estável em maio nas regiões metropolitanas

Estudo do Dieese mostra que a indústria foi o único setor que eliminou postos de trabalho em seis áreas analisadas
por Gilson Monteiro, Jornal Brasil Atual publicado , última modificação 25/06/2009 10h17
Estudo do Dieese mostra que a indústria foi o único setor que eliminou postos de trabalho em seis áreas analisadas

A taxa de desemprego se manteve em 15,3% em maio, repetindo o nível registrado em abril. A constatação é de levantamento da Fundação Sistema Estadual de Análise de Dados (Seade) com o Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese). De acordo com a Pesquisa Emprego e Desemprego realizada em parceria entre as instituições, o número total de desempregados nas seis principais regiões metropolitanas analisadas (São Paulo, Belo Horizonte, Distrito Federal, Porto Alegre, Salvador e Recife) foi de 3,1 milhões no mês passado.

Em maio, as contratações aumentaram 0,5%, ou seja, 80 mil novas vagas foram abertas, mas o número não foi suficiente para suprir a necessidade do mercado. Em São Paulo, a indústria foi o único setor que eliminou postos de trabalho com o corte de 16 mil vagas.    

Outro dado apontado pela pesquisa diz respeito ao rendimento do trabalhador que aumentou pela primeira vez desde dezembro passado. Segundo o diretor técnico do Dieese, Clemente Ganz Lúcio, vários são os fatores que contribuíram para o resultado registrado.

"A economia brasileira teve uma queda bastante grande, mas, se comparado com o desempenho internacional, nossa queda não foi na mesma intensidade", avalia. "Em grande medida, isso não ocorreu porque o mercado interno garante um conjunto de capacidade de consumo que permitiu que a população continuasse comprando e consumindo e o mercado interno continuasse produzindo", completa

Por mercado interno, o economista se refere à a renda dos trabalhadores, somado ao crédito e as transferências de renda feitas pelos governos na Previdência Social – aposentadorias e pensões – e na assistência, como o programa Bolsa Família. Um exemplo apontado por Clemente Gans Lúcio sugere como exemplo o aumento do emprego no setor do vestuário neste mês em São Paulo por causa das quedas de temperatura.

registrado em: