Nau sem rumo

Brasil não aguenta mais três meses de Bolsonaro, diz Lula à TV argentina

Em um único dia, Brasil registra mais que o dobro do total de mortes na Argentina durante a pandemia, virando motivo de preocupação em todo o continente

Reprodução
Entrevista de Lula foi o assunto mais comentado entre os argentinos

São Paulo – O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva afirmou que, com Jair Bolsonaro na presidência e a pandemia de coronavírus, o Brasil é um país “completamente desgovernado“. Em entrevista à emissora de TV argentina C5N nesta terça-feira (12), Lula disse que as únicas “instituições” que Bolsonaro respeita são “a milícia e os seus três filhos”.

“A sociedade está percebendo que Bolsonaro não tem condições de continuar governando. É preciso saber se o presidente da Câmara vai acatar algum pedido de impeachment. O Brasil não pode suportar mais três meses de anarquia. O Brasil está desgovernado”, afirma o ex-presidente.

Para Lula, as Forças Armadas não estariam de acordo com uma eventual aposta de Bolsonaro numa guinada autoritária. Ele acredita que democracia brasileira vai se recuperar, antes de qualquer “ideia fascista” ganhar força no país.

Comparação

A entrevista de Lula foi o assunto mais comentado entre os argentinos no Twitter. O interesse se deve à preocupação com relação à falta de reação do governo brasileiro à pandemia, que coloca em risco todo o continente. Enquanto a Argentina totaliza 319 vítimas até o momento, a Brasil alcançou o recorde diário nesta quarta, com o registro de 881 mortes pela covid-19.

O petista afirmou que o presidente argentino, Alberto Fernández, está “100% correto” quando diz que a economia é possível recuperar, mas não as vidas humanas. “A vida humana não volta. Se você salva o povo, com esse povo se pode reconstruir a economia. Se mata o povo, não tem reconstrução da economia.” Segundo o ex-presidente, “não é possível continuar vendo morrerem as pessoas passivamente”.

Desafinando

Lula disse à TV argentina que a função de um presidente é coordenar esforços, “como um maestro de uma orquestra”. Mas em vez de articular políticas junto a estados e municípios, Bolsonaro transformou governadores em inimigos.

“Bolsonaro não conversa com ninguém. Apenas com os fanáticos e milicianos dele. Fazendo provocações, não usando máscara, dizendo que a população tem que ir para a rua e voltar ao trabalho. É totalmente irresponsável. Todo final de semana, ele dá um show, através das suas redes sociais. E a imprensa fica correndo atrás das bobagens que ele fala, e ele não discute a pandemia, não discute a economia. Só discute bobagem.”

Assista à entrevista na íntegra