Você está aqui: Página Inicial / Saúde e Ciência / 2013 / 11 / Com 3 mil cubanos, Mais Médicos chega a todas as regiões carentes do país

atendimento básico

Com 3 mil cubanos, Mais Médicos chega a todas as regiões carentes do país

Profissionais começam a trabalhar em dezembro, atendendo as cidades consideradas prioritárias pelo Ministério da Saúde
por Redação RBA publicado 13/11/2013 13h01
Profissionais começam a trabalhar em dezembro, atendendo as cidades consideradas prioritárias pelo Ministério da Saúde
padilha aula inaugural

Aula inaugural para novos médicos cubanos em Brasília

São Paulo – O Ministério da Saúde informou hoje (13) que todos os municípios considerados prioritários para receber o programa Mais Médicos serão contemplados com pelo menos um profissional ainda neste ano.

De acordo com o ministério, o alcance da meta só foi possível graças à chegada de 3 mil médicos cubanos – que irão atender em 1.745 cidades e 15 distritos indígenas. Os atendimentos começam em dezembro. Esses profissionais darão assistência à uma população de 10,3 milhões de pessoas. Ao todo, o Mais Médicos vai atender quase 23 milhões de brasileiros.

Entre as áreas mais carentes do país, tidas como prioritárias, estão o semiárido nordestino, as comunidades quilombolas e as cidades com Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) baixo ou muito baixo, como cidades do Vale do Jequitinhonha/Mucuri, em Minas Gerais, do Médio Alto Uruguai, no Rio Grande do Sul, do Vale do Ribeira, em São Paulo, e do Norte do país. Esses locais não possuem médicos hoje.

“Com a chegada deste novo grupo de profissionais, o Brasil fecha o ano com pelo menos um médico em quase todas as regiões mais carentes do país. Estamos conseguindo atingir a nossa meta de levar profissionais aos bairros e comunidades que não tinham acesso a médicos”, disse o ministro da Saúde, Alexandre Padilha, que participou hoje da aula inaugural para os novos médicos de Cuba.

Com os três mil cubanos, o Mais Médicos conta agora com 6,6 mil profissionais.

De acordo com o ministério, a maior parte do novo grupo, 1.416 médicos, vai para o Nordeste. O Sudeste terá mais 566 profissionais; o Norte, 459; o Sul , 398; e o Centro-Oeste, 114.