Ciência Pública

Vacina cearense contra covid-19 aguarda aval da Anvisa para iniciar testes em humanos

Na fase pré-clínica, vacina HH-120-Defenser registrou níveis de proteção acima de 90%. Baixíssimo custo do imunizante será uma das vantagens, se comprovada a eficácia em humanos

Ney Carvalho/Euce
Custo estimado por dose da vacina cearense é de R$ 0,044 centavos

São Paulo – Uma vacina cearense contra a covid-19, desenvolvida pelo Laboratório de Biotecnologia e Biologia Molecular (LBBM) da Universidade Estadual do Ceará (Uece), aguarda autorização da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) para iniciar a testagem em humanos. Na fase pré-clínica dos estudos (Fase 1), a vacina HH-120-Defenser obteve “resultados promissores” em testes realizados com camundongos. A pesquisa do imunizante está sendo desenvolvida desde abril do ano passado, no início da pandemia.

“Com mais de 90% de proteção comprovada na fase pré-clínica, poderemos seguir com os testes em humanos, após a aprovação da Anvisa”, afirmou a imunologista Izabel Florindo Guedes, que coordena o estudo. “Para esses testes, será seguido todo um protocolo, realizando a seleção de pessoas saudáveis, que ainda não tenham tomado outras vacinas contra a Covid-19”.

A vacina HH-120-Defenser utiliza um tipo de coronavírus aviário atenuado. “Essa vacina é constituída por uma cepa de coronavírus muito parecida com o SARS-CoV-2, capaz de induzir uma resposta imunológica protetora contra o novo coronavírus. Ela não causa infecções em humanos. Por isso resolvemos usá-la”, destaca a professora Izabel.

Caso tenha a sua eficácia comprovada, outra vantagem da HH-120 é que se trata de uma vacina de baixo custo. De acordo com a coordenadora, com a concentração de vírus vacinal pretendida, cada frasco com 250 doses do imunizante cearense custaria R$ 11. O preço por dose estimado é de R$ 0,044 centavos. Para efeito de comparação, cada dose da Coronavac – o imunizante mais barato disponível – custa R$ 16.

Passo a passo

A fase clínica será dividida em três etapas. Na primeira, os testes serão realizados com, aproximadamente, 100 pessoas adultas, de 18 a 60 anos de idade, sem doenças pré-existentes. Posteriormente, na segunda etapa, será a vez de pessoas acima de 60 anos, com comorbidades. Na terceira, os testes serão aplicados em milhares de pessoas, com perfis diversificados. Ao final de cada etapa, contudo, a Uece deverá submeter os resultados à Anvisa para autorização da continuidade dos testes.

Recursos

As pesquisas do LBBM são financiadas com recursos da Fundação Cearense de Apoio ao Desenvolvimento Científico e Tecnológico (Funcap), da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes) e da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz). Além disso, para dar sequência aos testes após a aprovação da Anvisa, a Uece vai buscar apoio financeiro junto ao governo do Ceará. Durante a fase clínica, a equipe de pesquisas deve contar, ainda, com a parceria da Universidade Federal do Ceará (UFC) e do laboratório Labluz, do Instituto da Primeira Infância (Iprede).