Genocídio

Três em cada quatro brasileiros perderam alguém para a covid-19

Segundo levantamento da CNI, pandemia que já matou mais de 407 mil pessoas no Brasil é considerada muito grave ou grave por 89% dos brasileiros

Bruno Kelly/Amazônia Real
Quase todos os brasileiros já perderam alguém para a covid-19 e consideram a situação no Brasil muito grave

São Paulo – Ostentando a terrível posição entre os países campeões de mortes causadas pela covid-19 desde o início da pandemia, há mais de um ano os brasileiros vivem histórias tristes de perdas de familiares, amigos, colegas de trabalho. Levantamento realizado pela Confederação Nacional da Indústria (CNI) indica que três em cada quatro brasileiros perderam alguém para a covid-19. Segundo a pesquisa Os brasileiros, a pandemia e o consumo, divulgada nesta segunda-feira (3), dos que sofrem com alguma morte causada pela pandemia do novo coronavírus 53% perderam um amigo, 25% um parente que mora em outra residência e 15% um colega de trabalho.

Covid-19 no Brasil tem 82 mil mortes apenas em um mês, e país caminha para superar EUA
‘Não tem como Bolsonaro não ser declarado genocida’, diz senadora Zenaide Maia
Bolsonaro é um problema internacional e ninguém quer ajudá-lo, diz Washington Post

Diante do cenário em que o Brasil está mergulhado, com alto número de mortes e falta de vacinas, a pesquisa da CNI revela que 89% dos brasileiros consideram a pandemia no Brasil “muito grave” ou “grave”. Outros 6% a classificam como “mais ou menos grave”, enquanto apenas 10% dos brasileiros a tratam como “pouco grave” ou “nada grave”. Em julho de 2020, 84% das pessoas consideravam a pandemia “muito grave” ou “grave”.

Pode piorar

O Brasil conta mais de 407 mil pessoas mortas pela covid-19 e pode chegar a 575 mil mortes até 1º de agosto, segundo o cenário mais provável projetado pelo Instituto de Métricas de Saúde e Avaliação (IHME) da Universidade de Washington, nos Estados Unidos. “No pior cenário, o país atingirá 688,7 mil óbitos no mesmo período. O instituto também avalia que é possível a ocorrência de uma terceira onda a partir do final de maio”, relata o jornalista Leonardo Sakamoto.

“As projeções da Universidade de Washington estão bem precisas, pois a série histórica é estável. Até mesmo nossas insuficiências nas testagens estão refletidas”, afirmou à Sakamoto o epidemiologista Wanderson Oliveira, secretário de Serviços Integrados de Saúde do Supremo Tribunal Federal e e ex-secretário nacional de Vigilância em Saúde do Ministério da Saúde.

Muito medo

Além das perdas irreparáveis, os brasileiros vivem com medo, o que também pode levar a outros tantos tipos de adoecimento. O levantamento da CNI indica que 56% dos brasileiros possui atualmente um medo “muito grande” ou “grande” da covid-19.

“Em julho do ano passado, quando outro levantamento foi realizado, este porcentual era de 47%”, relata reportagem de O Estado de S. Paulo. “Entre 22% da população o medo atual da pandemia é classificado como ‘médio’ e 9% o qualifica como ‘pequeno’ ou ‘muito pequeno’. Em julho de 2020, 29% das pessoas diziam que o medo da pandemia era ‘médio’ e 10% que era ‘pequeno’ ou ‘muito pequeno’.”

Pandemia abala economia

Realizado pelo Instituto FSB Pesquisa, o levantamento da CNI entrevistou 2.010 pessoas com mais de 16 anos, nas 27 unidades da Federação, entre os dias 16 e 20 de abril. A margem de erro da pesquisa é de 2 pontos porcentuais, com intervalo de confiança de 95%.

Em nota à imprensa, o presidente da CNI, Robson Braga de Andrade, defendeu que “enquanto não houver uma vacinação em massa, a pandemia será motivo de grande preocupação para a população e continuará afetando o funcionamento das empresas, dificultando a esperada retomada da economia”.

De acordo com o consórcio de imprensa formado pelo Estadão, G1, O Globo, Extra, Folha e UOL, dão conta de que 31.875.681 pessoas haviam recebido pelo menos a primeira dose de vacina contra a covid-19 até domingo (2). “O número corresponde a apenas 15,05% da população brasileira. Na prática, de cada 20 brasileiros, somente três já receberam uma dose da vacina. O porcentual de quem já recebeu as duas doses é de apenas 7,49% da população”, informa a reportagem.