combate às fake news

Manaus: laudos médicos descartam relação entre morte de idoso e vacina contra a covid-19

Posts nas redes sociais buscavam associar morte com a vacina contra covid-19. Homem teve infarto dois dias após primeira dose

Gov. Amapá
Para desacreditar as vacinas contra a covid-19, grupos reproduzem postagens que tentam associar os imunizantes com a morte de idosos

São Paulo – A morte de um idoso de 83 anos, no dia 30 de janeiro, em Manaus, dois dias após tomar a primeira dose da vacina contra covid-19 não teve nenhuma relação com o imunizante, como vinha sendo divulgados em postagens nas redes sociais. O homem, cujo nome não foi divulgado, sofreu um infarto. A conclusão está no laudo médico elaborado pelo Centro de Referência de Imunobiológicos Especiais, órgão vinculado à Fundação de Vigilância em Saúde do Amazonas (FVS-AM), em parceria com a Fundação de Medicina Tropical Dr. Heitor Vieira Dourado.

O idoso havia recebido a primeira dose da vacina desenvolvida pela Universidade Oxford e a farmacêutica AstraZeneca, em parceria com a Fundação Osvaldo Cruz (Fio Cruz), no dia 28 de janeiro e morreu dois dias depois. Um familiar dele disse à época que ele havia aparentando sintomas leves de gripe, mesmo assim o levaram para a vacinação.

“A investigação, como Evento Adverso Pós-Vacinação (EAPV), foi realizada pelo Centro de Referência de Imunobiológicos Especiais (CRIE), órgão vinculado à Fundação de Vigilância em Saúde do Amazonas (FVS-AM); em parceria com a Fundação de Medicina Tropical Dr. Heitor Vieira Dourado (FMT/HDV). O laudo de necropsia aponta que a causa da morte do idoso foi infarto agudo do miocárdio (músculo cardíaco). Portanto, o óbito foi descartado como ocorrência associada à vacina contra o novo coronavírus”, informou a FVS-AM, em nota.

:: Um mês após contratação suspeita de furar fila da vacinação, gêmeas ricas pedem demissão da prefeitura de Manaus

Em quase um mês de vacinação no Amazonas foram aplicadas 214.534 doses, sendo 202.828 de primeira dose e 11.706 de segunda dose. O estado registrou vários casos de fura-filas na vacinação e chegou a interromper a campanha.

Mentiras sobre morte e vacina para covid-19

No dia 6 de fevereiro, o pastor Samuel Batista, da Comunidade Evangélica Projeto Vida, em Cunha, interior paulista, postou nas redes sociais que o pai dele morreu depois de tomar a vacina contra a covid-19 CoronaVac, produzida em parceria entre o Instituto Butantan e a farmacêutica chinesa Sinovac. O homem, de 76 anos, morava na cidade de Guaratinguetá, no Vale do Paraíba, e recebeu a primeira dose do imunizante no dia 25 de janeiro.

No entanto, ele não morreu por ação da vacina, mas de infecção pela covid-19, que pode ter pego mesmo após ter recebido a primeira dose da vacina, já que são necessárias duas doses, com intervalo de 28 dias, para garantir a imunidade. A vacina CoronaVac, como qualquer outro imunizante, não tem condições de causar a infecção, pois utiliza vírus mortos. As informações são do Projeto Comprova.

Segundo a prefeitura de Guaratinguetá, o idoso morava na casa de repouso Lar dos Velhinhos de São Francisco de Assis, que sofreu um surto de covid-19, em meados de janeiro. Outros idosos e, ao menos, três funcionários da casa de repouso também testaram positivo para o novo coronavírus na mesma época. O que confirma que a infecção e a morte não tiveram relação com a vacina.

Fluxo

Em Jundiaí, foi registrada a morte de um idoso de 94 anos pouco depois de receber a vacina contra a covid-19, no dia 10 de fevereiro. Mais uma vez, as redes sociais foram tomadas por postagens relacionando a morte ao imunizante. No entanto, o laudo de necropsia elaborado pelo Serviço de Verificação de Óbito (SVO) de Jundiaí indicou que o homem, cujo nome não foi revelado, sofreu um aneurisma dissecante da aorta.

A condição ocorre quando a parede interna da artéria se desprende e interrompe o fluxo sanguíneo ou leva ao rompimento da parede externa da aorta. É uma condição grave, que exige atendimento médico de urgência, com elevada chance de morte. Apesar da gravidade, o problema não causa sintomas anteriores, só sendo descoberto quando a artéria colapsa.


Leia também


Últimas notícias