tragédia diária

Brasil volta a passar de mil mortos por covid-19 em 24 horas. Número de casos chegam a novo pico

O Brasil enfrenta o pior momento de transmissão do vírus, sem medidas de isolamento social efetivas. Ao contrário, aglomerações são comuns

Legado Lima 2019
Covid-19 segue com alta letalidade em todo o mundo. Hoje, os Estados Unidos superaram as 400 mil mortes

São Paulo – O Brasil registrou hoje (19) 1.192 mortos pela covid-19, doença provocada pelo novo coronavírus. Com a soma, já são 211.491 vítimas desde o início do surto, em março. Janeiro vem se consolidando como o mês mais mortal da pandemia no país desde o primeiro pico epidemiológico, observado entre junho e agosto.

Já em relação ao número de novos casos, foram confirmados 62.094 infectados em 24 horas, totalizando 8.573.864 doentes, de acordo com o Conselho Nacional dos Secretários de Saúde (Conass). A média móvel calculada em sete dias de casos segue acima do até então pior momento da pandemia. São 54.032 contaminados diários, o que configura um novo momento de pico.

Números da covid-19 no Brasil. Fonte: Conass

Ontem, 15 estados já iniciaram o processo de imunização com a vacina CoronaVac, desenvolvida pela empresa chinesa Sinovac em parceria com o Instituto Butantan, de São Paulo. Entretanto, o processo esbarra em dificuldades logísticas e diplomáticas, e deve ser lento. Especialistas seguem com a recomendação de isolamento social, cuidados com a higiene e uso de máscaras.

O atual momento da pandemia, de novo pico, é resultado de fatores como novas cepas do vírus circulando em território nacional, de maior transmissibilidade, o fim de medidas de isolamento e, sobretudo, aglomerações. Festas e baladas vistas no fim do ano seguem se repetindo, e cenas de bares lotados e shows são comuns por todo o país. A transmissão no país segue fora de controle de acordo com a Universidade Johns Hopkins. As aglomerações contribuem para que o vírus siga se fortalecendo e deixando um rastro cada vez maior de mortes.

No mundo

A covid-19 também entrou em um período de grande letalidade nos Estados Unidos. Neste mês, as mortes diárias ficaram acima das 3 mil, com picos acima de 4 mil. Com isso, o país ultrapassou hoje a marca dos 400 mil mortos. O país acumula 400.022 mortos e mais de 24 mil casos. O número de vítimas é superior ao de baixas norte-americanas na Segunda Guerra Mundial. No conflito, foram 291.557 soldados abatidos, de acordo com o Departamento de Assuntos de Veteranos.

O panorama global é igualmente devastador. De acordo com a Johns Hopkins, são 96 milhões de casos já registrados no mundo e 2.050.000 mortos. Isso, sem contar com a subnotificação que é realidade de vários países. O Brasil, por exemplo, é uma nação que testa pouco e mal. De acordo com levantamentos cruzados da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) e dos boletins epidemiológicos do Ministério da Saúde, o número real de mortos no país já ultrapassou ao menos a casa dos 250 mil.