pandemia

Brasil tem 210 mil mortes por covid-19 e casos superam pior momento da pandemia

Marca é ultrapassada em meio ao início tardio da vacinação no país. Processo de imunização deve ser lento e enfrentar desafios logísticos

CC.0 wikimedia
Desde o dia 21 de janeiro o Brasil registra média diária de casos, calculada em sete dias, superior a mil

São Paulo – O Brasil chegou a 210.299 mortes por covid-19. Nesta segunda-feira (18) foram 452 novos casos de acordo com o balanço do Conselho Nacional dos Secretários de Saúde (Conass). Já o número de novos casos foi de 23.671. E desde o início da pandemia, em março, os números oficiais dão conta de 8.511.770 infectados. Às segundas-feiras os registros da covid-19 tendem a ser inferiores aos reais, já que existe um represamento de dados devido à baixa notificação em finais de semana, quando menos profissionais da saúde estão ativos. O Conass também informa inconsistências com os números do Paraná, que chegaram ao órgão com problemas e foram revisados.

Números da covid-19 no Brasil. Fonte: Conass

O país segue no enfrentamento a uma “segunda onda” de casos de contágio e de mortes, sem sequer ter deixado a primeira. Nas últimas semanas foram identificadas desde novas variedades do vírus, em contradição com a diminuição do isolamento social. Festas de fim de ano contribuíram especialmente para que a média de mortes pela covid-19 no Brasil retornasse a cerca de de mil por dia.

Ontem (17), a vacinação com a CoronaVac começou oficialmente em São Paulo. Hoje, capitais como Rio de Janeiro e Florianópolis também deram início ao processo. Entretanto, a produção das vacinas em larga escala ainda conta com incertezas e o processo de imunização deve ser longo. Apesar desse agravamento, as aglomerações seguem constantes, especialmente em festas e bares, o que coloca as autoridades de Saúde regionais em grande alerta. Mas não tem provocado ações mais contundentes dos governos, como recuar na flexibilização das atividades ou adotar medidas de coíbam o afrouxamento.

Médias

A média epidemiológica nacional de novos casos calculada em um período de sete dias segue em um patamar mais elevado de toda a série histórica. Isso porque o número de 54.308 casos diários está acima do primeiro pico de casos, registrado entre julho e agosto. Em relação às mortes, o patamar é similar, com 960 vítimas diárias.

A última semana foi o período com maior número de casos desde o início do surto de covid-19 no Brasil. Foram 379.061 novos casos, o que resulta muito acima dos 304 mil em média entre julho e agosto. Em relação às mortes, 6.665 em sete dias, índice similar aos registrados em agosto.

Curvas epidemiológicas de casos e mortes no Brasil. Momento é de alerta. Fonte: Conass