Vacina para todos

Na União Europeia, 25 países já aplicam a vacina contra a covid-19

Com a adesão de Bélgica, Luxemburgo e Letônia nesta segunda-feira (28), 25 dos 27 países da União Europeia já estão aplicando a vacina contra a covid-19

Divulgação / Sputnik Brasil
Cristiane Romero é vacinada contra covid-19 no Hospital Santa Maria, em Lisboa

São Paulo – Com a adesão de Bélgica, Luxemburgo e Letônia nesta segunda-feira (28), 25 dos 27 países da União Europeia já estão aplicando a vacina contra a covid-19. Irlanda deve começar amanhã (29) e a Holanda em 8 de janeiro. Na Bélgica, um idoso de 96 anos foi o primeiro imunizado. Fora do bloco, ao menos outros 17 países já estão aplicando as vacinas, segundo informações do portal G1.

A União Europeia começou a campanha de vacinação neste domingo. Alemanha, Hungria e Eslováquia começaram a vacinação no sábado (26). Ainda na Europa, mas fora do bloco, o Reino Unido, a Suíça, a Noruega e a Sérvia também já começaram a imunizar a população. A Islândia deve iniciar a aplicação na terça-feira (29).

Contando a atuação dos países da União Europeia com a vacina, ao menos 42 países em todo o mundo já começaram a imunizar a população – entre eles, Estados Unidos, Canadá, México, Chile, Costa Rica, Omã, Kuwait, Bahrein, Emirados Árabes, Rússia, China, Arábia Saudita e Israel.

Brasileira em Portugal

Em Portugal, uma das primeiras pessoas vacinadas foi a auxiliar de enfermagem brasileira Cristiane Romero, que tomou vacina no Hospital Santa Maria, em Lisboa, onde trabalha.

Segundo reportagem de Lauro Neto na agência Sputnik Brasil, Cristiane tomou a vacina depois de oito horas de um plantão no “Covidário”, como chamam o setor onde são tratados pacientes com Covid-19. Cristiane esperou mais uma hora na fila até receber uma dose da Pfizer-BioNTech na manhã desta segunda-feira (28). Após 30 minutos de repouso e observação para garantir que não havia nenhuma reação alérgica, ela foi liberada sem nenhum efeito secundário significativo.

“Confesso que estava um pouco apreensiva por conta dos efeitos colaterais, mas também orgulhosa por fazer parte do primeiro grupo escolhido para tomar a vacina no primeiro lote. Agora, estão vacinando quem tem contato direto com pacientes positivos. Todos teremos que tomar algum dia, como foi a H1N1. Então, já que fui escolhida para estar entre as primeiras, ‘bora lá’. É acreditar que Deus está no controle e que nada de mais vai acontecer. No máximo uma dorzinha no local da aplicação e um pouco de náusea. Mas nada além disso”, conta Cristiane à Sputnik Brasil.

Confira a reportagem