Pandemia em São Paulo

Para ex-ministro, postura de Doria chega ao ‘mesmo patamar de irresponsabilidade’ de Bolsonaro

Medidas de enfrentamento são “frágeis” para conter aumento de casos, avalia ex-ministro da Saúde Arthur Chioro, que critica também atraso na regressão do Plano São Paulo. “Está absolutamente claro que ele (Doria) protelou a decisão por quatro semanas”

Marcelo Camargo/EBC
"Governantes absolutamente incapazes de tomar tantas as medidas sanitárias necessárias, como produzir medidas econômicas", lamenta Arthur Chioro sobre a falta de políticas no Brasil

São Paulo – Para o médico sanitarista e ex-ministro da Saúde no governo de Dilma Rousseff Arthur Chioro, as “barbaridades e barbeiragens que estão sendo cometidas agora” pelo governador de São Paulo, João Doria (PSDB), “começam a igualá-lo ao mesmo patamar de irresponsabilidade do presidente da República”, Jair Bolsonaro. 

Em entrevista ao programa Revista Brasil TVT neste domingo (6), o ex-ministro da Saúde chamou de “frágeis” e “atrasadas” as medidas e a regressão de fase no Plano São Paulo, de combate ao coronavírus no estado. Há uma semana, logo após as eleições, o governo recuou da fase verde para a fase amarela diante do aumento de casos em decorrência da covid-19.  

De acordo com o Chioro, no entanto, “desde o dia 11 de novembro estava absolutamente caracterizado o aumento do número de casos”. O médico sanitarista também avaliou como “muito grave” a denúncia do repórter da RBA, Rodrigo Gomes, que mostra como Doria desconsiderou dados do Censo Covid-19, organizados pelo próprio governo, para minimizar a gravidade da pandemia e a passagem de fases.

Faltam diretrizes no Brasil

O governador e a secretaria de Saúde omitiram 2.506 internações, índice que levaria todo o estado não para a fase amarela, anunciada pelo governo, mas a laranja – mais restritiva – do Plano São Paulo. Para Chioro, o quadro brasileiro é de “governantes absolutamente incapazes de tomar tanto as medidas sanitárias necessárias, como produzir medidas econômicas”. 

“Nós não aprendemos com os países da Europa Ocidental, quando eles viveram a primeira onda, trabalharam com lockdown durante 40 a 60 dias. Fizeram altas taxas de testagem e controle, e eles conseguiram controlar a pandemia. Claro, tiveram a segunda onda, mas novamente voltaram a tomar as mesmas iniciativas, como a adoção de medidas de isolamento muito drásticas. E me parece que elas são mais importantes para a própria recuperação da economia, proteção do emprego, enfrentamento da crise social e econômica, que a pandemia de covid-19 com certeza traz, do que passarmos esses 10, 11 meses de embromação”, critica. 

O diretor-geral do Hospital Sírio-Libânes, Paulo Chapchap, também contestou a postura do governo diante do aumento de casos do novo coronavírus. Ao jornal Folha de S. Paulo, ele descreveu as medidas como “insuficientes” e alertou para o risco de uma nova “calamidade”.

Natal diferente

Para Chioro, as críticas e reações evidenciam que Doria quer “favorecer o próprio comércio”. “Tanto é verdade que o governador disse que a próxima revisão só acontecerá em 4 de janeiro. Ele sabe que, se tiver que revisar, terá inclusive que apontar para um fechamento maior das atividades econômicas e sociais, que é o que a gente precisa ter”, observa aos jornalistas Cosmo Silva e Nahama Nunes.

A 20 dias do natal, neste sábado (5), ruas do Brás ea 25 de Março, no centro de São Paulo, registraram congestionamento e lotação. Com a proximidade das festas de final de ano, a movimentação se intensificou, com shoppings da capital registrando inclusive filas e aglomerações na entrada. 

O ex-ministro da Saúde, no entanto, adverte: “essa é a hora de fazer um esforço (no isolamento social) que ainda é importante”. “Tenho recebido muitos pedidos, ‘o que você acha professor, dá para passar em segurança o Natal com a minha família?, dá para reunir a família?’. E tenho dito claramente para as pessoas, se a gente ama os nossos familiares, se respeitamos os nossos idosos, se amamos a vida, este ano é um ano para passar o Natal diferente. Já aguentamos um ano. E se quisermos ter outros Natais, outros anos novos, vai ser fundamental uma atitude responsável para garantir segurança até passar esse momento mais crítico. E aí 2021, depois da vacinação, com outro quadro, podemos  voltar a progressivamente retomar a vida no ritmo normal”, destaca Chioro. 

Assista à entrevista da TVT

Redação: Clara Assunção. Edição: Glauco Faria