Alarmante

Curva de casos de covid-19 volta a patamar de agosto e taxa de mortalidade volta a subir

Taxa de mortalidade está em 840 por milhão. Índia, que impôs uma das maiores quarentenas do mundo, viu mortes aumentarem depois de flexibilizar restrições

Paulo Donizetti de Souza/RBA
Governos que não têm projetos para manter renda das pessoas nem sobrevivência de empresas não conseguem convencer população a se cuidar

São Paulo – O número de casos de covid-19 teve um acréscimo de 43.209 doentes neste sábado (5), fazendo com que Brasil tenha registrados, oficialmente, 6.557.177 casos. A evolução semanal das contaminações pelo novo coronavírus apresentou a maior taxa de registros desde a segunda semana de agosto. Nos sete dias encerrados ontem, 286.905 pessoas foram diagnosticadas, embora esses registros possam corresponder a teste feitos anteriormente a que ainda não haviam sido notificados. A informação é do Conselho Nacional das Secretarias de Saude (Conass). E revelam que retomada da curva epidemiológica no país volta a apresentar situação alarmante de crescimento de contágios.

O total de pessoas mortas pela covid-19 desde o início na pandemia chegou a 176.628. O número de óbitos registrados na semana epidemiológica de 29 de novembro a este 5 de dezembro é o maior desde o registrado na semana encerrada em 10 de outubro. Foram 664 mortes informadas em 24 horas ontem, totalizando 4.067 em sete dias, ante 4.231 há dois meses.

Fonte: Conass
casos de covid-19
Na página da Conass, os gráfico é interativo pode ser manuseado, permitindo acesso a várias abordagens permitidas pelo números, inclusive por estado

Números por estado

O estado de São Paulo é o que apresenta maior número de casos, com 1.285.087 infectados e 42.969 mortes desde o início da pandemia. O estado governado por João Doria (PSDB), apesar da subnotificação dos registros e da baixa testagem em larga escala, já superou a maioria dos países do mundo em contágios. Apenas nove estão acima: Estados Unidos, Índia, França, Rússia, Espanha, Reino Unido, Itália, Argentina e Colômbia. A ocorrência de mortes por milhão de habitantes está em 936 em São Paulo.

Minas Gerais é o segundo estado com maior número de casos, 438.304, seguido de Bahia (419.044), Santa Catarina (393.602), Rio de Janeiro (370.267) e Rio Grande do Sul (346.801). Mas o Rio é o segundo estado com mais vítimas. O estado soma 23.099 óbitos, e tem taxa de mortalidade de 1.338 por milhão de pessoas.

Taxa de mortalidade

Mais de 66 milhões de pessoas já contraíram o coronavírus no mundo, e 1,52 milhão de morreram de covid-19. No total brasileiro, a taxa de mortalidade é 840 por milhão de habitantes. O movimento é de alta e já coloca o país entre os mais letais do mundo para quem adoece de covid-19. Só fica abaixo de Bélgica (1.508/milhão), Peru (1.128), Espanha (990), Itália (974), Reino Unido (913), Argentina (888), México (863), Bósnia-Herzegovina (862) e EUA (853).

O Brasil é o terceiro país com mais contágios, atrás apenas dos Estados Unidos (14,5 milhões de casos) e da Índia (9,6 milhões). Mas é o segundo em número de mortos, depois dos EUA (280 mil pessoas). A Índia chegou a impor uma das maiores quarentenas do mundo no início da pandemia. Mas depois de ter flexibilizado as restrições, tornou-se a terceira nação com mais mortos, 139 mil.


Leia também


Últimas notícias